Pular para o conteúdo principal

anatomia ultrassonográfica do fígado de um felino



Essa é a imagem de uma porção do fígado do paciente Nestor, um felino SRD macho de 6 anos de idade. O exame foi realizado devido a um achado bioquímico de aumento da ALT. O fígado estava perfeito (como vocês poderão observar em meu próximo post), e devo dizer que isso é um achado bastante comum entre os felinos domésticos; a ALT está aumentada, todos nos alardeamos, mas o exame clínico do paciente é normal e a imagem do fígado também, bem como dos outros órgãos abdominais, inclusive os rins. Isso é uma constatação pessoal, que talvez tenha uma explicação na quantidade de massa gorda do paciente, mas ainda não podemos ter certeza do por quê exato.

O foco dessa imagem se deu na vesícula biliar e a qualidade não ficou exatamente perfeita pois o paciente mexeu-se muito durante o exame. O próprio miado forte fazia os músculos abdominais contrairem-se, tirando a imagem do ponto correto.
Resolvi publica-la para demonstrar como nem sempre os felinos que apresentam ALT aumentada no exame laboratorial tem uma imagem de lesão hepática evidente. Havia me sido adiantado que o paciente estava com a clínica perfeita, coisa que sempre devemos levar em consideração na hora de realizarmos uma ultrassonografia.

A vesícula biliar, neste caso, apresenta-se como um círculo hipoecóico na parte superior direita da imagem, conforme indica a legenda.

Podemos observar com clareza as camadas de musculatura e gordura da parede abdominal logo acima.
Dificilmente encontraremos um gato doméstico com a vesícula vazia. Se observarmos o ducto biliar com muita facilidade, devemos sempre desconfiar de tríade felina, uma vez que os pacientes felinos demoram muito para demonstrar sinais de dor e doença debilitante, por isso a importância de investigarmos e estarmos atentos.

Apesar de não estar muito claro, o parênquima hepático era normal, sem alterações visíveis e, muito importante neste caso, sem pontos hiperecóicos ou hipoecóicos, sugerindo cicatrização, abscessos, contaminação infecciosa (...) ou lipidose, respectivamente. O contorno neste caso é  hiperecóico e facilmente observado, novamente devido à gordura abdominal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u