Pular para o conteúdo principal

anatomia ultrassonográfica do estômago de um felino



Essa foto é linda e extremamente importante para o paciente. Muitos de nós acabsmos por negligenciar a importância de se avaliar o estômago, principalmente porque costuma ser frustante tentar identificar qualquer coisa em um órgão cheio de alimento e conteúdo gasoso e liquido. Mas observá-lo com cuidado pode ser um grande diferencial no diagnóstico de alguma enfermidade ainda no começo de seu desenvolvimento.
A parede do estômago é composta de três camadas: a externa ou serosa, a do meio ou muscular e a interna ou mucosa. Neste imagem de ultrassom elas aparecem logo acima da palavra "estmag" (a letra O não funcionou), como uma linha torta hiperecóica, sendo a serosa; logo abaixo uma linha igualmente torta hipoecóica é a camada muscular e por fim, outra linha hiperecóica, a mucosa que reveste o lúmen estomacal.
Quando um animal tem ulcerações frequentes na parede do estômago, esse exame pode nos ajudar a suspeitar de uma contaminação por Helicobacter sp., uma úlcera não-complicada ou uma neoplasia. Obviamente o exame imaginológico por si só não irá nos dizer com certeza do que se trata, isso só um histopatólogico poderá fazer, mas ao ver uma imagem de ulceração que invada mais camadas além da mucosa, sempre devemos suspeitar de Helicobacter sp. ou de neoplasia. Neste caso, faça uma biópsia por agulha fina guiada pelo ultrassom da região (de preferência com o animal sedado). Sempre levante a suspeita, mas nunca afirme nenhum diagnóstico apenas pelo ultrassom; apenas a combinação de diversos exames poderá nos dizer com certeza do que se trata a lesão.

Comentários

  1. Muito legal seu blog, sou recém formado e to aprendendo bastante!! valeu obrigado
    Rafael

    ResponderExcluir
  2. Que bom que está gostando, Rafael. Continue visitando e comentando!
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Oi Fernanda!
    Em relação a transdutores...
    O linear pode ser ajustado com o mesmo pre7 do microconvexo?
    O linear faz mais sombra mesmo?
    Por exemplo, no estômago, com o microconvexo não vi sombra nem uma no estômago, somente gás, e quando passei o linear havia muita sombra...seria artefato no trastutor ou poderia ter um CE? a imagem que vejo no micro deve ser a mesma do linear?
    Obs. Amo sei blog, reative ele!!!! Obrigada beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo,

      Obrigada por participar :) Fico sempre feliz de conversar com interessados.

      O preset pode ser feito da maneira como você desejar, porém dentro das limitações de cada transdutor. Alguns irão ter maior leque de trabalho com frequências, enquanto outros poderão ter o ponto de foco mais profundo. Se os seus dois transdutores - linear e microconvexo - trabalharem com as mesmas frequências, profundidade, ganho e foco é possível deixá-los com o mesmo preset. Eu particularmente uso dois transdutores atualmente, um micro e um linear. O meu micro tem menores frequências e o linear maiores, então gosto de usá-los conforme minha necessidade de acordo com o porte do paciente. Não uso preset específico, vou ajustando a frequência, o ganho e a profundidade ao longo do exame :)

      A imagem formada por um ou outro transdutor não deve ser diferente quando o local avaliado e a hora forem as mesmas. O linear tende a dar mais definição de imagem, por ter frequência mais alta, e por isso é mais indicado para pacientes de menor porte. Se você tiver dúvida durante o exame se o que você está vendo é artefato por mal contato, aumente a quantidade de gel acústico. Os artefatos de mal contato irão se formar logo na pele e não dentro da imagem, sabe? Serão mais parecidos com a imagem produzida pela sombra das costelas.

      Para auxiliar na detecção de corpos estranhos sempre é interessante pedir para realizar também uma radiografia abdominal.

      Obrigada pelo elogio e incentivo! Qualquer dúvida me avise. E veja os vídeos que tenho colocado agora no blog também :) Estou evoluindo sempre

      Abraços!!!

      Excluir
    2. Entendi!!! Obrigada, me ajudou muito!!
      Vou ver os vídeos siiim!!!
      Adooooro sou blog!
      Obrigada bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino.
Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas. 
Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.