Pular para o conteúdo principal

cistite e doença renal crônica




Essa paciente é uma gata, idosa, que tem paraplesia dos membros inferiores. Como sua coluna vertebral foi seriamente afetada em um acidente, ela já não tem mais controle voluntário da micção, tendo perdido o tônus e a sensibilidade na bexiga urinária, portanto, sua bexiga tem que ser esvaziada manualmente pelo proprietário. Devido ao fato de reter urina por muito tempo dentro da bexiga, a paciente sofre de constantes cistites.
A evidência ultrassonográfica dessa irritação intermitente da bexiga urinária é visível na imagem através do espessamento da parede que compõe esse órgão, tendo sido mensurada neste exame, justamente porque normalmente, numa bexiga distentida, sequer podemos ver a parede da mesma em camadas, como neste caso.
No caso da imagem de um dos rins, observamos uma quase completa perda da arquitetura do órgão. Os cálices estão disformes, praticamente não há córtex e a ecogenicidade está seriamente afetada, encontrando-se muito mais hipoecóica do que a gordura intra-abdominal. Não há, simplesmente, nenhuma diferenciação córtico-medular. O tamanho do órgão também está diminuto.
Apesar de tudo isso, a cápsula renal está preservada, mantendo, ainda, o formato do rim (por isso a palpação nem sempre é precisa).
Todos esse sinais nos sugerem algo crônico, como insuficiência renal crônica, hidronefrose, entre outras doenças degenerativas deste órgão.

Comentários

  1. Olá,tudo bem? Muitos exames? Gostaria de saber qual livro fala das dimensões dos rins de cão e gato. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. oi nando, tudo certo e com muitos exames, ainda bem!
    meu livro favorito disparadamente é o nyland, ele fala bastante de parâmetros de medidas conhecidas em cães e gatos, incluindo medidas de rins, adrenais, baço, alças intestinais e etc.
    abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino.
Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas. 
Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.