Pular para o conteúdo principal

Alterações prostáticas em diversos cães


Ambos cães apresentados nessa postagem foram indicados ao exame ultrassonográfico por apresentarem tenesmo e polaquiúria. Além dessa sintomatologia, eram saudáveis, se alimentavam e não tinham histórico de doenças prévias. Nenhum apresentava aumento da temperatura retal e ambos tinham idade em torno de 7 anos. O diagnóstico prévio era de aumento prostático. 

Nas primeiras imagens pode-se observar a dilatação da uretra provocada pela obstrução no seu curso natural. 

O prognóstico para ambos os casos é favorável, já que macroscopicamente os indícios são de aumento benigno (hiperplasia benigna da próstata - HBP), já que não há heterogenicidades no parênquima, nem formato topográfico irregular. Quando trata-se de prostatite, é esperado um aumento da ecogenicidade da cápsula que reveste a glândula e até esferas anecóicas indicando abscessos. No caso de uma neoplasia, a imagem clássica é altamente irregular, com formato indefinido e parênquima heterogêneo, senão com trabeculações. 

Nestes casos há, sim, uma clara perda do formato bilobulado encontrado numa glândula saudável, porém o fato de preservarem um formato oval nos afasta da possibilidade de malignidade eminente, não podendo, claro, ser totalmente descartada sem uma biópsia preferencialmente pós-orquiectomia.

O esperado de se observar em uma glândula prostática saudável é a forma bilobulada, a localização intra-pélvica e a possibilidade de se encontrar a mesma apenas através de uma ultrassonografia trans-retal. 

O indicado em todos os casos de aumento prostático é a orquiectomia, especialmente em animais jovens ou seniors, que não têm HBP fisiológica.

Comentários

  1. Parabéns pelo blog...sou estudante de vet e adorei aprender um pouco mais sobre ultrassom aqui.

    ResponderExcluir
  2. que bom débora! Espero mesmo que isso possa ajudar estudantes e profissionais a desvendar essa área ainda tão pouco explorada da veterinária!
    abraços!

    ResponderExcluir
  3. OI Fernanda, sou eu aui novamente, estudando pelo seu blog!rsrsrs
    Hoje peguei uma imagem que eu não acho nada parecido em lugar nenhum para compar. Animal castrado de doze anos, apresentando "massa" na região ingnal á palpação, incontinência urinária e apatia. Ela era caudal a bexiga,em topografia de próstata , e era exatemente em formato de uma gota bilobada (essa divisória era hiperecogênica) do mesmo tamanho da bexiga! E era cavitária, ambos os lobos apresentam celularidade em suspesão. Vc sabe dizer oq pode ser? beijos Lígia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lígia!

      Então, pelo que você descreve para cisto prostático ou até paraprostático, que pode ser difícil de distinguir às vezes.

      Tem como você me mandar por e-mail as imagens? Assim eu poderia avaliar melhor.

      Obrigada! Abraços,

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino.
Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas. 
Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.