Pular para o conteúdo principal

Espessamento parietal e acúmulo de conteúdo no útero de uma canídea


Alterações como a piometra, mucometra e hemometra são comumente encontradas em cadelas com capacidade reprodutiva intacta e que não cruzam com a frequência esperada pelo seu organismo. 

Muitas vezes tais alterações são consequência da oscilação hormonal ocorrida no cio e nos casos de pseudociese. 

Essa paciente tem dois anos e desde o último cio passou a produzir leite, mesmo não tido contato com cães machos.

No ultrassom podemos observar o espessamento da parede uterina e presença de um conteúdo hiperecóico próximo à mucosa, indicando uma provável mucometra, já que a paciente não apresentava grande quantidade de descarga vaginal. 

Comentários

  1. Olá Fernanda, sou residente em diag. por imagem e adoro acompanhar seu blog. Acho muito informativo para nós médicos veterinários. Nesse caso específico, o conteúdo visualizado não seria de anecogênico a hipoecogênico? Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Ingrid! Obrigada pelo seu contato! Fiquei muito feliz de saber que você acompanha e aprova o blog. Gostei da sua interação, é exatamente o que eu espero.
    Eu visualizo um conteúdo hiperecóico dentro do útero. Repare que a parede está espessada e tendendo para hipoecóico, o que torna o conteúdo intrauterino hiperecóico relativamente. Acredito que, nesse caso, seria mais uma inflamação da camada mucosa mesmo, por isso creio se tratar de "conteúdo" hiperecóico.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Minha cadela tem 3 anos e a primeira cruza, começou aparecer secreção vaginal e no ultrasson deu Mucometra. Ela está tomando antibiótico mas a veterinária quer castrar e eu quero tentar salvar a cria, já que ela esta reagindo bem ao tratamento.
    Gostaria de uma opinião.

    ResponderExcluir
  4. Olha, o antibiótico está perfeito, pois trata-se de uma infecção bacteriana. Entretanto o mais aconselhável é a OSH (hesterectomia), veja que situação de quadrupede do cão dificulta a saída do conteúdo uterino (difente do humano). Não hesite em fazer a cirurgia se realmente for uma muco, pio, ou hemometra.
    Abraço,
    JOAO BATISTA (VETERINÁRIO)

    ResponderExcluir
  5. Fernanda, foi muito legal ver está imagem, pois hoje fiz uma US num paciente (já te falei que estou começando)e a imagem é identica a que vejo. Acho que tou no caminho certo.
    Eu imprimir e enviei para a colega que solicitou e coloquei num cantinho acanhado que era uma piometra. Legal não errei. Depois te mando a imagem para que voce possa também me ajudar. Obrigado.

    ResponderExcluir
  6. que bom que gostou, queiroz! espero mesmo que se for uma piometra, a cadelinha fique bem :) lembre-se de sempre correlacionar possíveis alterações bioquímicas com o ultrassom; ajuda a diminuir possibilidades de erro.
    abraços!

    ResponderExcluir
  7. Oi Fernanda,
    Estou com muita dificuldade essa parte de reprodutor feminino e pâncreas. Nessa foto, logo abaixo da bexiga a gente nota duas estruturas...muitas vezes não é possível acompanhar o trajeto o início ao fim, então como vou saber diferenciar de uma veia/artéria?
    Beijos Lígia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lígia,

      Obrigada pelo seu contato e comentário! Espero poder ajuda-la da melhor maneira possível.

      Normalmente os vasos são preenchidos por material totalmente anecóico e límpido, o que já começa os diferenciando de demais estruturas tubulares. Depois, como a artéria pulsa e a veia cava está encostada nela, você possivelmente detectará a pulsação tanto em um, quanto no outros. A parede da artéria aorta, no caso, costuma ser hiperecóica e bastante espessa (aproximadamente 1.50 mm), enquanto que a da veia cava caudal não é detectável devido sua pequena espessura. Finalmente, a VCC pode ser pressionada e colabar momentaneamente com o peso do transdutor, o que não aconteceria com o útero, por exemplo, e nem mesmo com a artéria aorta.

      Beijos,

      Excluir
    2. Quanto ao pâncreas, tente começar localizando-o no espaço entre o duodeno descendente e o pólo caudal do rim direito. Entre essas duas estruturas você deve conseguir ver o lobo direito do pâncreas em corte transversal, quando adquire formato triangular com o ducto aparecendo como um pequeno ponto hiperecóico no meio. Encontrando-o neste local, basta girar o transdutor delicadamente e coloca-lo em posição longitudinal. Lembre que geralmente e dependendo do aparelho, o pâncreas hígido não é totalmente diferenciável da gordura mesentérica.

      Beijos,

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…