Pular para o conteúdo principal

Insuficiência renal crônica e aumento renal compensatório em um felino




Processos crônicos levam ao atrofiamento de um õrgão, parte de um õrgão e de uma glândula. Em compensação, no caso de õrgãos pares como os rins, o outro acaba por assumir parte da função daquele que já entrou em colapso e sofre um aumento significativo de tamanho dada asnovas ou maiores funções que acaba assumindo. O mesmo pode ocorrer em pacientes que sofreram esplenectomia e acabam por ter uma
hepatomegalia que podemos chamar de funcional ou compensatória. 

No caso dessa paciente, não muito idosa, porém felina por excelência e com tendências a alterações renais, o rim esquerdo já está bastante atrofiado devido à doença previamente existente que pode ser ter por causa ou consequência a presença de calcificações em todo seu interior, especialmente na região pélvica e medular. Em resposta a isso, seu rim direito sofreu modificações estruturais bastante importantes para a manutenção da vida do sistema, aumentando de tamanho e assumindo as funções de seu não mais funcional par.  

Comentários

  1. Oi Dra. , como vão os trabalhos? Vc tem imagens de rins em cães com leishimania? Queria dar uma olhada, um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nando,
    Felizmente a leishmaniose não é doença endêmica, sequer comum, aqui em Curitiba, então nunca peguei nenhum caso. O máximo que tenho são alguns cujas suspeitas recaiam sobre leptospirose...
    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Ana Carla Bandeira3 de maio de 2013 14:33

    Ola Dra, estou concluindo o curso de med. veterinária e meu tcc é sobre alterações ultrassonograficas de displasia renal em cães. Já diagnosticou alguma?! Tem algumas imagens que eu poderia ver? Obrigado

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana Carla,

    Obrigada por sua visita e por seu comentário! Parabéns pela finalização e conclusão do curso! Desejo sucesso crescente e dedicação incansável para você!

    Eu já peguei diversos casos de displasia renal, especialmente em cães de pequeno porte e pêlo longo, mas normalmente nenhum deles apresentava/apresenta/apresentou clínica de doença renal. Se você quiser ver imagens e por um acaso usar no seu TCC, por favor, me passe seu e-mail ou me envie um para que eu possa lhe mandar.

    Obrigada e boa sorte,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…