Pular para o conteúdo principal

Aumento do baço e do fígado em um felino sob tratamento quimioterápico prolongado



Os quimioterápicos utilizados para o tratamento de neoplasias são drogas de ação bastante agressiva, pois suas aplicações visam combater as células de crescimento anômalo que compõem a base de um câncer. 

Assim como são agressivos à neoplasia, os quimiotérapicos acabam trazendo também muitos efeitos colaterais indesejáveis, que normalmente passam desapercebidos num paciente veterinário,já que a queda de pêlo não é observada, com excessão dos bigodes, e as náuseas e episódios eméticos não aparecem com tanta frequência como nos pacientes humanos. 

Um dos efeitos indesejáveis possíveis durante um tratamento prolongado com medicações tão fortes é a diminuição ou até perda da motilidade intestinal, ocasionando dores abdominais, tenesmo e consequente prostração e apatia. Outro efeito pode ser a anemia e a diminuição da séria branca do sangue, que causam um aumento responsivo do baço e do fígado, órgãos em parte responsáveis pela manutenção das condições
ótimas dos componentes circulatórios. 

Esse paciente tem um histórico de uso de drogas tais como vincristina para o tratamento de um linfoma previamente confirmado por avaliação imaginológica e bioquímica. Ele apresentava-se prostado e hiporréxico há dois dias, tendo evacuado apenas uma vez fezes bastante ressecadas e escurecidas. Sua última sessão de quimioterapia havia sido a duas semanasdo dia desse exame e as mesmas vêm acontecendo há aproximadamente 6 meses, respeitando-se oprotocolo utilizado para tal neoplasia. 

Ao exame de ultrassom foi constatada uma significativa esplenomegalia e uma hepatomegalia um tanto discreta, porém palpável e com diversos pontos hiperecóicos espalhados no parênquima. Foi dado como causa de sua prostação o fato de que haviam fezesretidas na porção final do intestino grosso, causando um acúmulo expressivo de gases, inclusive no estômago, que já havia apresentado sinais anteriores de gastrite.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u