Pular para o conteúdo principal

Sinais ultrassonográficos clássicos de tríade felina




A tríade felina é uma síndrome que afeta principalmente três órgãos; o fígado, o duodeno e o pâncreas. Normalmente ocorre por estresse considerado extremo para os pacientes como a morte de um ente querido ou a ausência prolongada por proprietário.

O que vemos nessas imagens são alterações clássicas da tríade: a diminuição da ecogenicidade do parênquima hepático e o consequente aumento da ecogenicidade dos ductos hepáticos (normalmente não visíveis), o aumento da ecogenicidade das camadas mucosa e serosa do duodeno e o aumento da ecogenicidade da região pancreática. Acredita-se que a inflamação comece em algum dos õrgãos envolvidos e por contato direto entre eles, a condição acabe se elastrando. 

A inflamação aguda em órgãos parenquimatosos e bem vascularizados como o fígado e o baço ocasiona uma diminuição da ecogenicidade devido ao aumento do aporte sanguíneo. Como o sangue é um líquido comum perante o ultrassom, assim como a urina e o transudato, o que se vê na tela é o equivalente a um acúmulo de líquido.


Comentários

  1. Olá, Fernanda!Hoje,tivemos na clínica,uma paciente felina,com 9 meses,SRD, apresentando vômitos,TR 40,5C e icterícia,com sensibilidade abdominal. O laudo de um US demonstrou hepatomegalia com cistos, vesícula inflamada.O bioq revelou 275 ALT,85 AST e leucograma com 26000 leucócitos.Mas, Creatinina 0,7 (apesar da desidratação) e no US os rins estavam normais.Gostaria de saber o desfecho do caso clínico acima e se haveria uma sugestão para minha paciente.Agradecida!Luciane Ballardin-Caxias do Sul

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq nao tenta investigar hepatite parasitaria? por platynossomum fastosum, sei la, animal tá jovem né...

      Excluir
    2. tem razão fabiana! sempre pode ser platynossomum sp. muito pertinente seu comentário!

      Excluir
  2. oi luciane! obrigada pelo seu comentário! com base no que você me falou, sugiro que se leve em consideração a infecção por Mycoplasma haemofelis. na ultrassonografia houveram outros sinais de alteração em outros órgãos? se há evidências de alteração em duodeno e/ou região pancreática, outra grande possibilidade é "tríade felina". se ela tem acesso à rua ou mora em casa, de maneira que possa ter tido contato com lagartixas - que nessa época do ano são encontradas em grande número -, é muito provável a infecção por Mycoplasma sp. como ela tem sensibilidade abdominal evidente, é muito provável que haja alteração em pâncreas. como no tratamento para tríade uma das drogas usadas em concomitância com outras é o antibiótico, sugiro começar com ciprofloxacino, que é de escolha também para a mycoplasmose (antiga hemobartonelose), por no mínimo 21 dias. tente ver se é possível fazer uma pesquisa de hemoparasitas antes do início do tratamento, mas após a coleta de sangue, já o inicie.
    boa sorte com a paciente e bom começo de ano!
    abraço!

    ResponderExcluir
  3. Filipe (filipefeitosavet@gmail.com)8 de outubro de 2016 09:06

    Bom dia Dra Fernanda.
    Meu nome é Filipe, também sou veterinário, trabalho com ultrassonografia há quase 2 anos.
    Sou fã do seu Blog. Encontro aqui casos clínicos muito interessantes tratados de forma simplificada.
    Parabéns pelo material. Espero que continue a postar coisas novas.
    Abraços.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Filipe,

      Obrigada por comentar. Saber disso sempre me anima a compartilhar o conhecimento que vou acumulando ao longo do tempo :)

      Acompanhe os vídeos também!!!

      Abraços,

      Excluir
  4. Oi Fernanda! Seu post me ajudou a esclarecer algumas dúvidas.Meu gato foi diagnosticado com a tríade felina, causada provavelmente pelo platynosomun. O diagnóstico foi através de ultrassom.Ele está em tratamento contra a tríade e tomando também antibióticos contra o possível platynosomun. O tratamento começou há uma semana (ele está internado, no soro, tomando os remédios injetáveis e sendo alimentado com recovery), mas ainda não vi melhoras. Ele ainda não voltou a comer. Ele é jovem, tem 5 anos. Ele ainda não ter voltado a comer, é normal? Seria o caso de trocar os medicamentos? E a tríade felina tem cura?
    Obrigada e abs, Samantha. RJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Samantha!


      Que bom que meu posto ajudou a esclarecer um pouco sobre a tríade.

      Sinto muito que seu gatinho esteja com este quadro. Realmente é uma doença de curso complicado...

      Um dos grandes problemas da tríade é que ela causa perda de apetite. O jejum alimentar prolongado em gatos é particularmente perigoso, pois a espécie é predisposta à formação de lipidose hepática. A lipidose seria em termos gerais a substituição de células funcionais do fígado (hepatócitos) por gordura. A gordura não tem função como um hepatócito e por isso pode causar insuficiência hepática. O fígado é o principal metabolizador de nutrientes alimentares e seu não funcionamento implica em uma série de problemas sistêmicos.

      A grande questão em um felino é fazê-lo comer. Muitas vezes isso terá que ser forçado, pois se depender dele, ele não o fará. Para isso pode-se usar sondas alimentares.

      A tríade Felina tem cura, mas tem um prognóstico bastante reservado, devendo ser avaliada individualmente conforme a resposta do paciente.

      Não creio que seja o caso de troca de medicamentos. A doença é que é complicada mesmo...

      Espero ter ajudado e espero sinceramente que seu gatinho saia dessa!

      Abraço

      Excluir
    2. Ola...boa noite!
      Meu gato tb foi diagnósticado com triade....gostaria de saber como seu gato está reagindo ao tratamento...
      Desde ja agradeço atenção

      Excluir
  5. ola ! Como se tem certeza que essa doença e causada por estress?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade não se tem certeza. Uma das causas pode ser o estresse, mas não exclusivamente é ;)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…