Pular para o conteúdo principal

Possível reação ao fio de sutura utilizado em esplenectomia



Muito práticos, os fios de sutura absorvíveis de origem orgânica, como é o caso do catgut (do inglês cattle gut, que quer dizer vísceras de gado), e alguns polifilamentados, podem causar reações alérgicas em certos pacientes mais sensíveis, formando desde um processo de fibrose exagerado até um abscesso de proporções inimagináveis.

Essa paciente sofreu um grave trauma e o consequente rompimento de uma porção do lobo hepático esquerdo e da ruptura total da cápsula esplênica, forçando a realização de um procedimento cirúrgico de emergência para conter os focos de hemorragia interna. 

Uma semana após a esplenectomia radical, esse exame de ultrassonografia foi realizado, mostrando esse cisto trabeculado, bem delimitado e com áreas de fibrose na região onde antes estava o baço. A imagem condiz com a possibilidade de se tratar de uma reação alérgica ao fio de sutura utilizado, já que a paciente em questão é bastante jovem - menos de 1 ano de idade - e não tem histórico familiar de doenças neoplásicas. O fato do aparecimento de tal alteração ter se dado em tempo tão próximo à cirurgia é também outro indicativo de não se tratar de uma lesão de caráter maligno. Casos assim sempre devem ser acompanhados posteriormente com exames cuidadosos envolvendo mensuração da massa, em intervalos adequados conforme o histórico do aparecimento de tal formação. 

Em casos em que o histórico é desconhecido e o animal é mais velho do que 2 anos de idade, deve-se ser cauteloso quanto ao prognóstico macroscópico e um exame microscópico deve ser realizado com máxima urgência, pois tal aparência de imagem pode sugerir um possível hemangiossarcoma.  

Esse tipo de imagem deve ser levado na mente do ultrassonografista veterinário para o caso de se deparar com algo semelhante próximo ao coto uterino no pós-operatório recente de uma ovariohisterectomia (OSH). Estudos também indicam que animais jovens submetidos à esplenectomia parcial ou total podem apresentar áreas de reimplantação espontânea do tecido esplênico, especialmente na rede mesentérica. 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u