Pular para o conteúdo principal

Estruturas hiperecóicas no fígado de um felino





Esse paciente havia sido submetido a um procedimento cirúrgico havia alguns dias atrás e foi encaminhado ao ultrassom devido a episódios esparsos de êmese. O que foi observado foram pequenas estruturas de formato ligeiramente arredondado no parênquima hepático próximas à vesícula biliar. Não havia uma causa específica, porém, as mesmas haviam sido  localizadas na dita cirurgia e avaliadas microscopicamente, sendo o resultado compatível com processo cicatricial. Seriam essas fibroses decorrentes de uma lesão química, de algum parasita? Por enquanto o caso permanecerá um mistério.

Observe o efeito espelho causado pela proximidade com o diafragma na primeira figura.

Comentários

  1. Argh.. acabou de sumir o comentário que eu tentei fazer! Bom, eu tinha falado sobre o efeito espelho, coisa que eu desconhecia! =) já sobre a estrutura hiperecóica, fico curiosa!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Legal saber que você aprendeu algo novo por aqui :D
    Essas estruturas hiperecóicas são muito estranhas e mais estranho ainda é o paciente não ter nenhum sintoma hepático.

    ResponderExcluir
  3. Olá, também sou médica veterinária, atuo no RJ. Acho muito interessante a ultrassonografia, e gostaria de aproveitar sua experiência... há alguma imagem específica, única no exame de um cão, que nos sugestione cinomose ou leptospirose?
    Grata, Gisele Louise

    ResponderExcluir
  4. Oi Gisele!
    No caso do cão, uma imagem altamente sugestiva de leptospirose é o "sinal da medula" no(s) rim(ns). Ele se caracteriza por uma linha bastante hiperecóica separando a camada cortical da medular, bem no limite onde as duas se tocam. Creio que tenho uma imagem dessas, que no caso se tratava de displasia renal; vou postá-la em breve para que fique mais elucidativo. Isso já mostra que existe um diagnóstico diferencial para esse "sinal da medula", mas o acompanhamento clínico deve tirar a dúvida.
    Particularmente não sei de nenhum sinal específico para cinomose no ultrassom, senão alguns genéricos como aumento da motilidade intestinal de forma radical, espessamento da camada submucosa do intestino, ausência de conteúdo intestinal (...); porém, tudo isso também pode indicar DII ou outra virose intestinal, que normalmente também vem acompanhada de aumento esplênico.
    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…