Pular para o conteúdo principal

Suspeita de insuficiência renal aguda em um gato





A insuficiência renal aguda é caracterizada pela imagem ultrassonográfica de aumento generalizado dos rins, sendo o espessamento da camada cortical o principal responsável por essa condição. Outra alteração que, combinada à anterior, ajuda a eliminar outros possíveis diagnósticos é o aumento da ecogenicidade cortical (compare a ecogenicidade da camada cortical do rim esquerdo com o parênquima esplênico, que deveria ser mais hiperecóico).

As causas da também chamada falência renal aguda são diversas, porém dentre elas podemos citar como principais a nefrite intersticial (causa mais comum de DRA - doença renal aguda - em gatos idosos), glomerulonefrite, pielonefrite, neoplasias renais (sendo a mais encontrada o linfoma renal), amiloidose, intoxicação por agente venenoso como lírios ou rodenticidas, intoxicação por metais pesados, administração prolongada ou errônea de certos antiiflamatórios não-esteroidais e antibióticos, picadas de insetos ou aranhas (aranha-marrom Loxosceles spp.) ou cobras, trauma renal mecânico, processos obstrutivos causados por urólitos em ureter, desidratação severa e prolongada, cardiopatias, peritonite infecciosa felina (PIF) e, mais incomumente, condições congênitas ou genéticas, inclusive a doença renal policística (PKD - Policystic Kidney Disease).

A doença renal aguda é dividida em três grandes fases: a fase de apresentação, a de manutenção e a de remissão ou agravamento da doença. Inicialmente os principais sinais são a anúria e /ou a poliquiúria acompanhados de aumentos séricos de uréia e creatinina. Depois, o paciente pode voltar a urinar normalmente, mas as taxas de excreção da uréia e da creatinina continuarão baixas, assim como a concentração urinária Finalmente, pode haver até poliúria, mas a eliminação de uréia, creatinina e potássio continuará pequena.

Comentários

  1. Oi Fernanda, nesse caso seria interessante avaliar o Diametro, VPS, VDF e IR da AA renais, segundo Profa Cibele Carvalho (CARVALHO & CHAMMAS, 2010), a avaliação em modo B normal e IR > 070 é sugestivo de doença renal aguda tubulointersticial ou de alterações vasculares.
    Saudações
    Henrique

    ResponderExcluir
  2. oi henrique, obrigada por sua postagem, muito construtiva! darei uma olhada nesses parametros desse paciente e postarei os resultados aqui. continue visitando e comentando!

    ResponderExcluir
  3. muito triste...
    minha gata tem 13 anos, e o rim dela não ta legal. A ureia acusada no último exame de sangue foi 6... comecei com ração renal, 200 ml de soro todo embaixo do "couro" (não sei o vocabulário correto), e ela estava ótima anteontem, mas ontem, não conseguia mais levantar a cabeça, e vem perdendo a coordenação motora. Não perdeu a consciência, ronrona quando recebe carinho, quer ficar perto... sente fome, tanto que quando viu a seringa com o rango ela ficou toda aflita e comeu... sente sede, e ta bebendo na seringa... e ta piorando o quadro. Ela não consegue segurar a urina, e essa urina não tem cheiro de absolutamente nada, nada... parece água...
    Olha, eu já chorei o equivalente ao rio doce todo, amo essa gata, mas não vejo saída porque em nosso país não existe transplante, então, tendo consciência de que to chovendo no molhado, pergunto, existe outra saída que não seja sacrificar minha gatinha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      Sinto tanto por tudo isso que você e sua gatinha estão passando. Sei como médica veterinária e como proprietária de gatos que este processo é doloroso mesmo. Muito.

      Diversas clínicas veterinárias contam com auxílio psicológico em casos de doenças crônicas para que você consiga se ajudar a decidir o que é melhor pra você e pra ela.

      A doença renal crónica realmente não tem cura, mas pode ter uma boa resposta com o tratamento paliativo. O que acha de tentar interná-la em uma clínica de intensivismo antes de pensar em outra coisa?

      Abraços e boa sorte!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u