Pular para o conteúdo principal

Alteração testicular em um cão




Os testículos inalterados do cão possuem ecotextura densa e homogênea, divididos por uma linha hiperecóica localizada na região central, que representa o mediastino testicular. As margens externas do parênquima são hiperecóicas. Posicionando-se o transdutor sagitalmente à bolsa escrotal observa-se na região dorsal o epidídimo, de textura mais grosseira e salpicada por pontos hipoecóicos e generalizadamente menos ecóica em relação ao parênquima. A cabeça do epidídimo pode ser vista cranialmente ao mesmo, mantendo-se o transdutor na mesma posição.

É importante atentar às diferenças de tamanho entre um testículo e outro, e às diferenças de textura e ecogenicidade, além da temperatura e da aparência externa.

Não existem diferenças macroscópicas realmente marcantes entre alterações de origem neoplásica, traumática, infecciosa ou inflamatória; porém o histórico, a idade e a anamnese completa do paciente ajudam no afunilamento de possibilidades.

Geralmente a infecção testicular causa diminuição homogênea da ecogenicidade parenquimal devido ao maior aporte sangüíneo no local, enquanto regiões anecóicas focais com ou sem a presença de debris hiperecóicos flutuantes em seu interior costumam indicar abscedação. Os abscessos podem acompanhar situações que variam desde trauma mecânicos à neoplasias contaminadas devido à soluções de continuidade epiteliais. Os tumores das células de Sertoli são geralmente observados quando há criptorquidia intra-abominal, sendo observados como massas de tamanho variado e ecotextura mista, normalmente em região inguinal, podendo, porém, atingir alturas similares as dos ovários. Quando o testículo está na bolsa escrotal e apresenta esse tipo de tumor, ele normalmente encontra-se unilateralmente e causa atrofia do contralateral e aumento de tamanho do afetado. Nódulos focais de ecogenicidade aumentada são comumente observados em tumores de células intersticiais, que podem ser bilaterais. Seminomas causam notório aumento de tamanho testicular e em sua maioria afetam somente um dos testículos.

A atrofia de testículo, uma condição rara, pode ser observada pela diminuição de tamanho do mesmo e pela ecogenicidade parenquimal hipo ou isoecóica quando comparada ao outro.


Comentários

  1. Ótimas informações! Sempre acrescentando nosso aprendizado ;)

    ResponderExcluir
  2. mari, obrigada pelo comentario! espero sempre ajudar meus colegas interessados na area :) abracos!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante! Muito boa as informações!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u