Pular para o conteúdo principal

Sinal da medula nos rins de um gato



O sinal da medula, aquele visto como um halo hiperecóico entre a linha de divisão das camadas cortical e medular, pode ser considerado um achado em muitos felinos, porém pode também indicar intoxicação por certos medicamentos, displasia renal, peritonite infecciosa felina e outros. O prognóstico de um paciente com clínica de insuficiência renal e que apresente o sinal da medula ao ultrassom é reservado.

Comentários

  1. Acabei de fazer um exame também com essa alteração, e o animal tinha suspeita de PIF. Vamos aguardar os outros exames pra ver no que dá.

    ResponderExcluir
  2. realmente PIF é uma das suspeitas, fernanda. depois você me conta o que deu.
    abraços!

    ResponderExcluir
  3. Muito legal!

    ResponderExcluir
  4. Fiz uma eco na minha gatinha que apresentou tênue sinal medular que pode ser indicativo de PIF. Mas a gatinha não tem sintomas compatíveis. Esta ótima, brinca bastante, tem muita energia, come muito bem. Pode ser outra coisa?

    ResponderExcluir
  5. Oi Paula,

    Obrigada pela visita e por comentar!

    A hiperecogenicidade da banda de diferenciação córtico-medular ou "sinal medular/da medula" pode ser sugestivo, em felinos, de PIF, doenças auto-imunes em geral, FIV e/ou FelV, intoxicação ou envenenamento, displasia renal (sempre deve ser considerada em casos de gatos muito pequenos ou braquicefálicos de pêlo longo), pielonefrite, leptospirose e outras doenças infecto-contagiosas, sepse e outros.

    Seria interessante testá-la para FIV e FelV, pois essas doenças podem ser de desenvolvimento silencioso e manterem-se sob controle quando o paciente está imunologicamente estável.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Oi Fernanda! fiz um ultrassom da minha cachorrinha de 9 meses pois ela não havia entrado no cio ainda, a principio, para investigar os ovários e útero. Mas no exame constatou um problema nos rins dela. A veterinária que estava fazendo o US chamou de Rim Medular. No Laudo relatou como: contornos regulares e definidos com dimensões normais e ecogenicidade mantida com presença de uma forte linha ecogenênica em medular - sinal medular. Sugere-se controle. Não há sinal de litíase ou hidronedrose.

    O que isso significa???? os exames de sangue e urina não tiveram alterações. Deu td normal.

    Aguardo!

    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Obrigada por seu comentário.

      Conforme mencionei no post sobre esta alteração, ela pode ter diversos significados, e um deles pode ser o fato do que ela é um cão de pequeno, mini ou micro porte, quando o sinal da medular pode aparecer sem nenhuma doença clínica. Recomendo realmente fazer o acompanhamento ultrassonográfico e bioquímico da sua cadelinha até que os exames tenham resultados considerados mais definitivos.

      Boa sorte!

      Abraços

      Excluir
    2. Mto Obrigada por responder Fernanda... então tem uma chance de termos descoberto essa alteração mas que não seja nada patológico??? que ela viva normalmente??

      Obrigada mais uma vez, e desculpa novamente perguntar... mas é que perdi duas cachorrinha ano passado e só de pensar q essa pode estar com uma doença grave fico desesperada.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…