Pular para o conteúdo principal

A utilização do "modo M" para aferição dos BCF


Quando se está avaliando uma paciente gestante utilizando-se a ultrassonografia, uma das grandes preocupações é a saúde dos fetos. Para se certificar de tal, além de se observar o desenvolvimento organular e ósseo, deve-se atentar aos movimentos e aos batimentos cardíacos fetais (BCF). 

Ao final da gestação e durante o trabalho de parto, os BCF inferiores à 90 bpm indicam sofrimento fetal, e por isso uma cesárea de emergência deve ser indicada imediatamente. Os fetos saudáveis devem apresentar em média o dobro dos batimentos cardíacos da mãe.

Neste caso a mãe avaliada é da raça Dogue Alemão, um cão de porte gigante cujo coração bate aproximadamente 60-80 vezes por minuto, dependendo do nível de condicionamento físico; ou seja, os fetos devem apresentar de 120-160 bpm. 

Como contar visualmente os batimentos cardíacos dos fetos é uma tarefa muito difícil e imprecisa, pode-se usar o "modo M" para uma estimativa mais sensível. Neste modo, a imagem adquire a aparência de um gráfico semelhante ao de uma eletrocardiografia e por isso o software do aparelho de ultrassom é capaz de medir a frequência com que as oscilações aparecem. 

Comentários

  1. Muito legal!
    Essas 3 frequências correspondem a um feto somente?

    ResponderExcluir
  2. oi mari,
    essas 4 frequências correspondem aos BCF de um mesmo feto. sempre acho mais garantido fazer mais de uma aferição, porque eles se mexem muito.

    ResponderExcluir
  3. Fernanda.

    Parabéns pelo dia do médic veterinário!!!
    Parabéns tb pelo face sobre ultrassonografia. Adoro ver seus posts. Acho bem didático. Terminei minha pós em ultra agora e toquerendo comprar o meu aparelho, trabaho numa clinica 24 hs em sao josé dos campos, como todo começo é... tenho minhas dificuldades... mas vamos lá. Minha maior dificuldade era mesmo verificar os batimentos fetais e como mensurar isso, por esse post já deu para ter uma ideia, agora só falta praticar e adquirir experiencia. valeu. bjo.

    ResponderExcluir
  4. oi juliana!

    obrigada e feliz dia do veterinário para você também!!!

    que bom que gosta do blog e acompanha, adoro que deixem comentários para que eu possa ter um feedback interessante e aprimorar cada vez mais o conteúdo.

    acho bem legal que você comece na área de ultrassom, porque aqui não tem jeito, quanto mais prática, melhor! sempre rola uma dificuldade, mas conforme você for se adaptando e descobrindo, inclusive, certos "truques" do seu próprio aparelho de uso, melhor vai ficar! tente praticar ao máximo em animais saudáveis ou até sabidamente doentes, sem a pressão do diagnóstico ainda, assim quando você se deparar com um caso mais sério, vai se sentir mais segura.

    boa sorte e um beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u