quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Aumento bilateral evidente das glândulas adrenais de um cão




O hiperadrenocorticismo é uma doença endócrina que pode acometer cães e gatos, sendo, porém, mais comum em cães. Existem três causas para o resultado final de excesso de corticoesteróides séricos, o hiperadrenocorticismo hipofisário, o iatrogênico e o neoplásico. 

A ultrassonografia visa avaliar visualmente o tamanho, o formato, a ecogenicidade e a textura das glândulas adrenais e não pode determinar se há ou não um quadro clínico de síndrome de Cushing instalado. 

Este paciente foi encaminhado ao exame de ultrassom devido ao aumento séricos de enzimas hepáticas, dentre elas a ALT e a FA; constatou-se discretas alterações em parênquima hepático, principalmente envolvendo a presença de múltiplos pontos hiperecóicos difusamente distribuídos no órgão, porém, o que mais chamou a atenção foi o aumento bilateral  das glândulas adrenais. 

Observe-as comparando com o tamanho dos rins. 

Este paciente não apresentava sinais clínicos de hiperadrenocorticismo. 

10 comentários:

  1. Neste caso, poderia confundir as adrenais com alguma formação? Ou pela topografia já diz que é adrenal? Também por ser bilateral né...
    E no fígado, o que seria sugestivo essas alterações que ele tinha?

    ResponderExcluir
  2. e qual a idade do animal? :)

    ResponderExcluir
  3. mariana, nesse caso sabemos ser as adrenais por causa da localização. ajuda o fato de ter como visualizar até onde vai a "massa", notando-se que ela não é aderida ao fígado, ao baço ou mesmo aos rins.
    as alterações em fígado podem até ser decorrência da própria alteração endócrina, que deve existir, mesmo o paciente não apresentando sinais disso.
    a idade aproximada era de 8 anos...
    :)

    ResponderExcluir
  4. muito legal, sempre aprendo coisas novas aqui,
    obrigada :)

    ResponderExcluir
  5. Oi Fernanda!!! Posso lhe enviar uma imagem para q vc me ajude e/ou confirme ou não minha suspeita? Grata.
    Magna.

    ResponderExcluir
  6. oi magna, pode enviar para meu e-mail fernanda.vet@hotmail.com, sim. adoro ajudar colegas!
    abraços!

    mari, obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Fernanda!!! Te enviarei hoje histórico e imagens. !!!
      Magna.

      Excluir
    2. Oi fernanda, lhe enviei as imagens e historico hoje... Obrigada. Abraço, Magna

      Excluir
  7. Não havia sinais clínicos de hiperadreno mas era?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo,

      Obrigada por participar :)

      Sim, este paciente não tinha nenhum sinal clínico clássico de hiperadrenocorticismo (PU/PD, adelgaçamento da musculatura abdominal, flacidez, apatia, polifagia...), por isso o caso se tornava emblemático. Ela era acompanhada por uma endocrinologista que inclusive tinha optado, juntamente com o tutor do cão, a não administrar trilostano já que a situação era assintomática.

      Eu já não tenho mais notícia desse caso, mas até então sei que ela só acompanhava com exames de imagem para saber se as adrenais tinham evolução de tamanho.

      Até a próxima!


      Excluir