Pular para o conteúdo principal

Ultrassom puma (Puma concolor)/Cougar´s ultrasound







Dentre os felídeos que habitam as Américas, o puma (Puma concolor) é o de maior distribuição geográfica, sendo encontrado desde os Andes até o extremo norte canadense. É um animal solitário e muito ativo durante a noite, de aparência extremamente similar ao felinos domésticos, particularmente ao gato da raça abissínio. 

Esse espécime possui aproximadamente 17 anos de idade, é do sexo feminino e pertence ao Parque Zoológico de Curitiba. 

Seu histórico remonta episódios recentes de êmese, hiporexia e abaulamento abdominal, não havendo proximidade da puma com gatos domésticos ou com objetos passíveis de ingestão pela paciente. 

Ao exame ultrassonográfico observou-se diversas formações císticas arredondadas em camada cortical de rim direito e uma lobo hepático acessório. A concomitância de alterações císticas em órgãos parenquimatosos e rins pode sugerir doença renal policística. 

Observe também as formações nodulares em baço e ecotextura grosseira e a ecogenicidade mista de parênquima esplênico relativamente ao parênquima hepático. São alterações compatíveis com hiperplasia nodular benigna, quadro idiopático comum em felinos de idade avançada, sendo recomendada a esplenectomia total devido à possibilidade de malignização indireta do quadro (compressão de outros órgãos, como o estômago, por exemplo, causando êmese intermitente). Essas alterações também podem indicar neoplasia, sendo o exame laboratorial histopatológico indispensável para diferenciação do quadro. 

O estômago estava repleto de gases, dificultando sua visualização completa, impossibilitando a constatação de um possível corpo estranho no local ou até de uma neoplasia de parede gástrica, o que causaria obstrução e êmese.




Amongst the felines that inhabit America, the cougar (Puma concolor) is the one with biggest geographic distribution, being found from the Andes to north Canada. It is a lonely animal, very active at night, that looks almost like a domestic cat, specially similar to the Abyssinian.

This specimen it´s 17 years old, female and belongs to Parque Zoológico de Curitiba (Curitiba's Zoo).

It´s medical history includes recent recurrent emesis, appetite loss and abdominal bulging, not related with foreign objects ingestion or contact with domestic felines (wich could lead to a FIP infection).

THe ultrasound scan shows multiple round-shaped cystic formations on the kidney´s cortical layer and one on the accessory hepatic lob. Cystic displays on liver and kidneys may suggest PKD.

The spleen parenchyma is also more rough and there are nodes on the head of this organ. These are signs that may indicate hyperplasic nodular disease, a benign condition usually observed in old age felines; they can also represent a neoplasic formation, and the only way to distinguish one from another is to do a histopathological evaluation. The splenic nodes can compress the stomach and then cause emesis.

Gases were filling the stomach, making the complete visualization of the organ difficult, wich could hide possible foreign bodies or a stomach neoplasia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…