Pular para o conteúdo principal

Fibrose hepática em um gato



A fibrose ou cirrose hepática é uma condição pouco observada em cães e gatos até por sua dificuldade de diagnóstico, já que muitas vezes o paciente pode ser assintomático ou apresentar sintomas pouco específicos como êmese e baixa tolerância alimentar. 

Macroscopicamente a doença caracteriza-se por microhepatia, hipoecogenicidade generalizada de parênquima hepático, irregularidades de bordas do órgãos e pontos hiperecóicos difusamente espalhados pelo parênquima (área de fibrose). Muitas vezes observar-se-á dilatação de ductos biliares e hepáticos, além de aumento da vesícula biliar, uma vez que a intensa cicatrização local torna o tecido rígido e pouco elástico, dificultando o escoamento de conteúdo biliar. 

A única maneira de se confirmar a suspeita de diagnóstico é através da realização de biópsia hepática, que pode ser realizada por colheira ecoguiada durante sedação do paciente. Essa colheita de material deve ser feita de maneira estéril e com acompanhamento ultrassonográfico em tempo real, uma vez que grandes vasos e ductos atravessam o parênquima deste importante órgão.

Este paciente teve o diagnóstico confirmado por exame laboratorial, por isso a importância de se observar as imagens com cuidado a fim de se criar um arquivo mental da alteração hepática. 

O fígado tem grande capacidade regenerativa (até 70% de seu parênquima pode ser removido com relativa segurança e certeza de auto-regeneração), por isso é tão difícil observar alterações agudas neste órgão. 

Comentários

  1. Boa tarde
    Dra. tenho uma sharpei de 05 anos e ela fez uma ultrassonografia, e o laudo foi o seguinte:
    Figado: Dimensões preservadas, contornos e bordos regulares, parênquima homogêneo, hipoecóico(normoecóico) ao baço, textura grosseira. Vasos e ductos preservados.Ducto cístico de paredes hiperecóicas.
    Vesicula Biliar: Repleta, conteudo anecóico com acúmulo hiperecóico em fundo (Lama Biliar), paredes preservadas.
    Foi me dado um diagnóstico de inflamação no fígado, é isso mesmo?? posso ficar tranquila, tem cura?

    Obrigada

    Helena

    ResponderExcluir
  2. Olá Helena,
    Obrigada pela sua visita em meu blog.
    Quanto ao seu comentário, se você gostaria de repetir o ultrassom da sua Sharpei e morar em Curitiba ou região, podemos marcar um horário; a princípio, o que eu posso lhe dizer é que devemos sempre confiar no diagnóstico fornecido por aqueles que estão atendendo nosso bichinho. Se se tratar de inflamação no fígado, existem, sim, tratamentos eficazes. Fique tranquila.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Ola Dra.
    Tenho uma cadela lhasa de 2 anos e 5 meses... Foi constatado em ultrassonografia que ela tem fibrose hepatica...
    Será que existe uma cura para isso, sendo que ela faz trataemnto com ração hepatica..
    Grata
    Laressa

    ResponderExcluir
  4. Ola Laressa,
    Sugiro que você procure, primeiramente, uma segunda opinião clínica.
    Se for mesmo caso de fibrose hepática, esse é um processo crônico que não tem cura, mas a manutenção das porções saudáveis do fígado para evitar que o quadro piore é muito importante e de grande valia.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  5. boa noite doutora!!!
    adotei uma gatinha vira-lata e com 7 meses, mandei castrar. A gata até hj (2 meses depois) nao melhorou. Agora esta com fibrose hepátiuca, muito magra e nao faz cocô. Estou mt preocupada, ja levei em 3 medicos diferentes e nada. Por favor, me de uma luz!!!!!!
    Obrigada! Jaqueline

    ResponderExcluir
  6. Jaqueline,
    É difícil avaliar um animal apenas por seu histórico breve sem vê-lo, conversar com o proprietário, fazer uma avaliação física e laboratorial. Apesar de parecer meio decepcionante, sugiro que você procure outro veterinário. Muitas vezes doenças crônicas como a fibrose hepática exigem uma terapia de controle para o resto da vida do paciente, sem que isso represente um ponto final/cura da doença.
    Boa sorte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…