Pular para o conteúdo principal

Fibrose hepática em um gato



A fibrose ou cirrose hepática é uma condição pouco observada em cães e gatos até por sua dificuldade de diagnóstico, já que muitas vezes o paciente pode ser assintomático ou apresentar sintomas pouco específicos como êmese e baixa tolerância alimentar. 

Macroscopicamente a doença caracteriza-se por microhepatia, hipoecogenicidade generalizada de parênquima hepático, irregularidades de bordas do órgãos e pontos hiperecóicos difusamente espalhados pelo parênquima (área de fibrose). Muitas vezes observar-se-á dilatação de ductos biliares e hepáticos, além de aumento da vesícula biliar, uma vez que a intensa cicatrização local torna o tecido rígido e pouco elástico, dificultando o escoamento de conteúdo biliar. 

A única maneira de se confirmar a suspeita de diagnóstico é através da realização de biópsia hepática, que pode ser realizada por colheira ecoguiada durante sedação do paciente. Essa colheita de material deve ser feita de maneira estéril e com acompanhamento ultrassonográfico em tempo real, uma vez que grandes vasos e ductos atravessam o parênquima deste importante órgão.

Este paciente teve o diagnóstico confirmado por exame laboratorial, por isso a importância de se observar as imagens com cuidado a fim de se criar um arquivo mental da alteração hepática. 

O fígado tem grande capacidade regenerativa (até 70% de seu parênquima pode ser removido com relativa segurança e certeza de auto-regeneração), por isso é tão difícil observar alterações agudas neste órgão. 

Comentários

  1. Boa tarde
    Dra. tenho uma sharpei de 05 anos e ela fez uma ultrassonografia, e o laudo foi o seguinte:
    Figado: Dimensões preservadas, contornos e bordos regulares, parênquima homogêneo, hipoecóico(normoecóico) ao baço, textura grosseira. Vasos e ductos preservados.Ducto cístico de paredes hiperecóicas.
    Vesicula Biliar: Repleta, conteudo anecóico com acúmulo hiperecóico em fundo (Lama Biliar), paredes preservadas.
    Foi me dado um diagnóstico de inflamação no fígado, é isso mesmo?? posso ficar tranquila, tem cura?

    Obrigada

    Helena

    ResponderExcluir
  2. Olá Helena,
    Obrigada pela sua visita em meu blog.
    Quanto ao seu comentário, se você gostaria de repetir o ultrassom da sua Sharpei e morar em Curitiba ou região, podemos marcar um horário; a princípio, o que eu posso lhe dizer é que devemos sempre confiar no diagnóstico fornecido por aqueles que estão atendendo nosso bichinho. Se se tratar de inflamação no fígado, existem, sim, tratamentos eficazes. Fique tranquila.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Ola Dra.
    Tenho uma cadela lhasa de 2 anos e 5 meses... Foi constatado em ultrassonografia que ela tem fibrose hepatica...
    Será que existe uma cura para isso, sendo que ela faz trataemnto com ração hepatica..
    Grata
    Laressa

    ResponderExcluir
  4. Ola Laressa,
    Sugiro que você procure, primeiramente, uma segunda opinião clínica.
    Se for mesmo caso de fibrose hepática, esse é um processo crônico que não tem cura, mas a manutenção das porções saudáveis do fígado para evitar que o quadro piore é muito importante e de grande valia.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  5. boa noite doutora!!!
    adotei uma gatinha vira-lata e com 7 meses, mandei castrar. A gata até hj (2 meses depois) nao melhorou. Agora esta com fibrose hepátiuca, muito magra e nao faz cocô. Estou mt preocupada, ja levei em 3 medicos diferentes e nada. Por favor, me de uma luz!!!!!!
    Obrigada! Jaqueline

    ResponderExcluir
  6. Jaqueline,
    É difícil avaliar um animal apenas por seu histórico breve sem vê-lo, conversar com o proprietário, fazer uma avaliação física e laboratorial. Apesar de parecer meio decepcionante, sugiro que você procure outro veterinário. Muitas vezes doenças crônicas como a fibrose hepática exigem uma terapia de controle para o resto da vida do paciente, sem que isso represente um ponto final/cura da doença.
    Boa sorte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u