Pular para o conteúdo principal

Sonda uretral em um gato



Proprietário relata anúria. Paciente da espécie felina, sexo masculino. 

A principal suspeita é obstrução uretral, muitas vezes causada por sedimentos acumulados no local, formando o "plug". Os sedimentos urinários em felinos podem ter diversas origens, sendo as principais a mudança de pH urinário devido à alimentação e à idade do paciente, a pirexia crônica e a presença de cálculos de grande porte, tanto de estruvita quanto de oxalato.

Este paciente já havia sido atendido e sondado, por isso podemos observar a sonda neste exame.

Abaixo observa-se a causa provável deste quadro neste paciente: coágulos em grande quantidade e de grande porte são vistos nessa imagem (diferencia-se coágulo de cálculo ao visualizar sombra acústica no segundo).


Comentários

  1. Oi,achei que fez pouco sombreamento para cálculo,ou depende do tipo de cálculo?

    ResponderExcluir
  2. oi nando, realmente não se tratam de cálculos, mas sim de coágulos, por isso a ausência de sombra acústica. obrigada por seu comentário! continue visitando!

    ResponderExcluir
  3. Oi Fernanda!
    Adoro seu blog... Gostaria de ter mais tempo para segui-la, mas sempre q posso dou uma olhadinha nas novidades...
    Posta umas imagens de torção esplenica e alteraçoes neoplasicas
    ( baço)pra gente ?!?!
    abraço. Magna

    ResponderExcluir
  4. Oi Magna,
    Obrigada por seu comentário e sugestão! Infelizmente não tenho, por enquanto, nenhuma imagem de torção esplênica - mas posso lhe adiantar que o órgão se encontrará especialmente hipoecóico e de bordas arredondadas e espessas -, porém tenho diversas imagens de alterações supostamente neoplásicas em baço que postarei semana que vem!
    Continue comentando e sugerindo, assim posso tornar minha exposição de casos cada vez mais útil e completa!
    Abraços,

    ResponderExcluir
  5. tenho um gato as vezes temos de levalo para esvasiar a bexiga , tem uma forma de nao obsitruuçao como proceder,so usando sonda ,porque ocorre ,sera a alimentaçao ,tem alimentaçao propria

    ResponderExcluir
  6. Olá "anônimo",
    Infelizmente a obstrução uretral acontece com grande frequência em felinos do sexo masculino, particularmente os castrados. Recomendo que leve-o a um médico veterinário de confiança e discuta com ele essas suas dúvidas. Dê preferência para o veterinário que já tenha acompanhado os casos anteriores do seu gatinho; pois assim ele saberá como proceder com mais segurança. Existe sim um protocolo de dieta específico para esses casos que pode ajudar bastante o gato. Também é importante solicitar uma análise laboratorial desse material que vem obstruindo a uretra dele. Converse com o veterinário a respeito da possibilidade de realização da cirurgia de relocação da uretra.
    Boa sorte,

    ResponderExcluir
  7. Há necessidade de raspar a barriga do gato para fazer o ultrassom para verificação de possíveis cálculos devido a obstrução uretral?

    ResponderExcluir
  8. "Anônimo",
    O ar funciona como uma barreira para o som; como a função dos pelos nos mamíferos é, justamente, segurar uma camada de ar entre eles para ajudar na manutenção da temperatura corporal do animal, acaba que a presença deles no caminho do ultrassom se torna um estorvo. Então, em qualquer avaliação ultrassonográfica em animais peludos, o pelo deve ser removido com uma máquina adequada para que o local fique liso como o nosso próprio abdome.
    Atenciosamente,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E se o pelo for fininho, e o ultrassom for feito apenas na região bexiga?

      Excluir
    2. O ideal é sempre tosar, até porque não é recomendável fazer avaliação apenas da bexiga sem dar uma checada no estado dos rins.

      Excluir
  9. Pois é, penso da mesma forma. Mas um veterinário disse que FEZ um ultrassom SEM raspar a barriguinha do gato. ~Eu não entendo como isso seria possível, pois ao meu ver, é necessário que a caneta deslize livremente pelo ventre, a fim de obter boas imagens, procede?

    EXISTE ALGUMA POSSIBILIDADE de fazer tal exame sem a raspagem? Para que eu não esteja falando besteira?

    ResponderExcluir
  10. O ideal sempre é tosar. A única maneira de livrar do ar entre os pêlos é molhando o local de avaliação com álcool ou água.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…