Pular para o conteúdo principal

Massas renais complexas



Massas renais podem ter características sonográficas complexas, contendo áreas anecóicas, hipoecóicas e hiperecóicas (NYLAND e MATOON, 2002). Naturalmente isso representa uma dificuldade no diagnóstico preciso, uma vez que as suspeitas são múltiplas. As áreas anecóicas e hipoecóicas geralmente representam regiões de hemorragia ou necrose e não devem ser confundidas com cistos verdadeiros, já que estes tendem a produzir reforço acústico subjacente mais intenso. As porções sólidas ou hiperecóicas costumam ser isoecóicas em relação à camada cortical e normalmente consistem da menor parte da alteração (NYLAND e MATOON, 2002). 

Para se afunilar os diagnósticos diferenciais a correlação com outro exames complementares é fundamental. Por exemplo, ao se suspeitar de hematomas, o ultrassonografista veterinário deve avaliar o histórico e o hemograma do paciente avaliado, já que essa alteração é mais comum em animais jovens que sofreram um trauma ou que possuam desordens de coagulação. O abscesso pode ser correlacionado com leucocitose e febre (NYLAND e MATOON, 2002). 

Pode-se dizer que esse tipo de massa pode ser resultado de hematomas, abscessos, granulomas, infarto agudo e neoplasias primárias ou metastáticas. Ressalta-se que as neoplasias renais podem ter aspecto sonográfico parenquimatoso também, por isso é crucial a realização de aspiração ecoguiada por agulha fina do líquido e/ou da massa para posterior avaliação microscópica. Este procedimento é realizado sob sedação ou anestesia geral e a colheita deve abranger os diversos sítios observados na imagem ultrassonográfica. Em cães, as neoplasias mais comuns são adenocarcinoma e hemangioma, sendo que a primeira atinge com maior frequência a população masculina. Os felinos domésticos possuem maior incidência de linfoma primário. Ainda falando desta última espécie, dependendo dos sinais clínicos, bioquímicos e hematológicos, considera-se como diferencial a criptococose, a peritonite infecciosa felina, a FeLV e a FIV (CAYWOOD, 1980; KLEIN, 1988; KONDE, 1985, 1986, 1989; NYLAND, 1981; NYLAND e MATOON, 2002; WALTER, 1987)


Referências bibliográficas

CAYWOOD, D.D. et al. Neoplasms of the canine and feline urinary tracts. Current Veterinary Therapy. Saunders, 1980. 

KLEIN, M.K. et al. Canine primary renal neoplasms: A retrospective review of 54 cases. Journal of the American Veterinary Medical Association, 1988; 24: 443-452

KONDE, L.J. et al. Sonography of the kidney. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice. 1985; 15: 1149-1158

KONDE, L.J. et al. Sonographic appearence of renal neoplasia in dog. Veterinary Radiology, 1985; 26: 47-81

KONDE, L.J. et al. Comparison of radiography and ultrasonography in the evaluation of renal lesions in the dog. Journal of the American Veterinary Medical Association, 1986; 188: 1420-1425. 

KONDE, L.J. et al. Sonographic application in the diagnosis of intrabdominal abscess in the dog. Veterinary Radiology, 1986; 27: 151-154

KONDE, L.J. et al. Renal sonography. Seminars in Veterinary Medicine and Surgery (Small Animals). 1989; 4:32-43

NYLAND, T.G. et al. Gray-scale ultrasonography of the canine abdomen. Veterinary Radiology, 1981; 22: 220-227

NYLAND, T.G.; MATOON, J.S. Small Animal Diagnostic Ultrasound. Saunders, 2002. 

WALTER, P. A. et al. Ultrasonographix evaluation of renal parenchymal diseases in dogs: 32 cases (1981-1986). Journal of the American Veterinary Medfical Association, 1987; 191: 999-1007


Comentários

  1. Oi Fernanda!!!! Neste caso , não seria conveniente um ulltrasson guiada?
    Obrigada. Magna.

    ResponderExcluir
  2. Desculpe!!! Não li o post por completo!!!!
    Magna

    ResponderExcluir
  3. sem problemas, magna. obrigada por visitar e comentar.

    ResponderExcluir
  4. olá fernanda td bem
    meu nome é amilcar alexandre
    sou médico veterinario em bebedouro interior de sãopaulo
    tenho um aparelho igual ao seu dp3300 vet
    trabalho a 2 anos
    o horario e data do aparelho estão errados
    vc sabe como arruma, ja tentei um monte mas não consigo
    obrigado

    ResponderExcluir
  5. desculpe o abuso de novo
    vc tem escrito no visor do aparelho no alto esquerdo]
    o nome do site,,uktrassonografia veterinaria
    gostaria de escrever meu nome no meu[]
    como eu faço,,,
    obrigado

    ResponderExcluir
  6. Olá Amilcar,

    Obrigada por sua visita e pela interação!

    Para ajustar tanto a data e a hora quanto o nome no visor, basta entrar em "file" (arquivo, do original. Tem um disquetezinho desenhado no botão), clicar em "preset" e depois em "geral". Seguindo esse passos você encontrará as devidas áreas para preencher com os dados que precisa.

    Espero ter ajudado!

    Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado fernanda pela atenção
      sei que é complicado analisar imagens estáticas de ultrasom......mas posso mandar imagens para discussão ou tirar duvidas...muito obrigado
      como faço

      Excluir
    2. Oi Amilcar,

      Você pode me enviar no e-mail fernanda.vet@hotmail.com; sempre que é possível eu ajudo.

      Obrigada!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…