Pular para o conteúdo principal

Chinchilas: mais uma espécie para o diagnóstico por imagem


Chinchilas ou Chinchillidae lanigera. ou Chinchillidae brevicaudata são mamíferos roedores de porte médio naturais das altas montanhas andinas na América do Sul. Seus hábitos são noturnos, por isso muitos proprietários os julgam preguiçosos e apáticos. Na natureza são considerados animais em sérios riscos de extinção, pois já foram largamente predados por seres humanos em busca de peles viçosas para casacos e outros itens de vestuário. 

Atualmente há no Chile a Reserva Natural de las Chinchillas, criada em 1983 com o objetivo de proteger a espécie e conservar seu habitat natural, já que sua alimentação e moradia dependem diretamente da planta puya-azul ou Puya berteroniana

Como por muitos anos as chinchilas foram criadas em cativeiro afim de ser obter pele de origem controlada, pouco se sabe acerca da sua alimentação completa, expectativa de vida e outros. Acredita-se que sendo criada como animal de estimação, uma chinchila possa viver até vinte anos, o que contribuiria para o diagnóstico de doenças relacionadas à senilidade como as neoplasias.

Referências bibliográficas:

DE LUCENA, Ricardo Barbosa. DOENÇAS DE CHINCHILAS (Chinchilla lanigera). Tese de doutorado Universidade Federal de Santa Maria - RS. 2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino.
Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas. 
Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.