Pular para o conteúdo principal

O que é ecografia?

O que é a ultrassonografia? 

Muitos dos leitores aqui são médicos veterinários, outros felizes proprietários de cães, gatos, chinchilas, pássaros (...), alguns ultrassonografistas e - arrisco dizer - todos curiosos, que acham interessante uma ou outra palavra, um ou outro tema como o famigerado "corpos estranhos". Mas essas imagens misteriosas que aparecem na tela não são fruto da imaginação do imaginologista (como esta definição pode erroneamente sugerir) são fruto de um fenômeno físico muito simples, o eco. Sim, ecografia é uma palavra que deriva do grego, sendo a junção de "echo" com "graphus". Echos realmente significa eco, que por definição portuguesa quer dizer "Repetição de um som reenviado por um corpo duro"; já graphus pode-se dizer que dependendo do contexto queira dizer descrição, escrita, grafia. 

Perfeito, então as imagens em muitas tonalidades e subtonalidades de cinza são a visualização do eco sonográfico? Exatamente. 

Basicamente o transdutor emite uma vibração sonora muito alta, o ultrassom (inaudível a nós seres humanos e à maioria dos animais com que lidamos em nosso dia-a-dia veterinário, pois ultrapassa os 20 KHz, ou 20.000 Hz) que encontra um tecido ou líquido no seu caminho, que possui certamente um grau de refração sonora, que retorna ao transdutor, é recebida pelos cristais pizoelétricos e interpretada pelo software do aparelho e transformada em uma imagem, que, com muito treino, é observada e julgada pelos olhos e conhecimento técnico do ultrassonografista. 

Geralmente, na ultrassonografia transparietal abdominal de cães e gatos, usamos frequências que variam de 5,0 MHz até 10,0 MHz. Muitíssimo altas. Por isso temos a necessidade de remover os pêlos abdominais dos pacientes que avaliamos, afinal, sua função de reter ar entre ele e a pele para manter a temperatura de um mamífero homeotérmico adequada é muito eficaz, conferindo ao ultrassom mais uma barreira ecográfica, já que as ondas sonoras viajam em linha reta, como as de rádio. É tambem por este motivo, que mudamos a frequência sonora do nosso transdutor diversas vezes durante um exame. 

Os sons de frequência mais baixa geram ondas com maior capacidade de alcance, porém menores, ou mais "chatas", piorando a qualidade do resultado final, enquanto que os sons de maior frequência são compostos por ondas maiores, ou mais "altas", que percorrem distâncias menores mas geram respostas ecográficas melhores. "As rádios FM possuem excelente qualidade de som mas tem alcance limitado (em media 100 quilômetros de raio)" (http://www.significados.com.br/fm/).

A ultrassonografia nos auxilia a observar o interior de um abdômen, por exemplo, sem a necessidade de abri-lo cirurgicamente.
Além do abdômen, tudo aquilo que permite a passagem do som no será descortinado para a visão do observador. Músculos, vasos, linfonodos, órgãos, tecidos, gordura, massas... Até a superfície dos ossos terá delineamento, podendo indicar alterações de trajeto, contorno e forma.

Desde de o começo de sua aplicabilidade, mais ou menos nos idos dos anos 1960 (...), a ultrassonografia evolui com o auxílio de softwares e telas de melhor resolução, passando de uma complicada operação que envolvia uma tina cheia d`'agua onde o paciente era submerso até pequenos aparelhos portáteis com a possibilidade de serem contectados diretamente ao aparelho smartphone.

Atualmente, na medicina veterinária a ultrassonografia é bastante utilizada para a avaliação abdominal e cardíaca, podendo englobar o encéfalo (quando o animal possui porte inferior a 10kg), os globos oculares, o pescoço e todas as suas estruturas, a parede torácica, a superficie pulmonar, a cavidade torácica, o coração e seus principais vasos, a musculatura e a vascularização central e periférica, o abdômen, os contornos ósseos, os linfonodos.

  

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…