Pular para o conteúdo principal

Aplicações ultrassonográficas

A ultrassonografia é um exame complementar de imagem que auxilia o clínico médico veterinário a guiar seus diagnósticos, logo é importante saber todas as aplicabilidades desta modalidade.

A mais conhecida é a ecografia abdominal, utilizada para diagnóstico e acompanhamento gestacional e para a avaliação morfológica dos órgãos, glândulas e estruturas locais. Por ser um exame que detecta movimentos, é possível também avaliar peristaltismo intestinal, motilidade fetal, infusões de fármacos, drenagem e centeses, dinâmica vascular com a combinação do método Doppler e outros, que incluem as coletas de materiais com a visualização constante da agulha.

Este exame de imagem ainda permite a localização de plexos vasculares e nervosos para injeção de bloqueios anestésicos locais, coleta de sangue e oximetria arterial. A musculatura e possíveis nódulos subcutâneos, epiteliais e/ou musculares também podem ser escaneados por este método, que combinado ao Doppler e outros parâmetros, pode fornecer informações sobre vascularização, tamanho, aspecto, implantação, forma, origem; todas úteis na determinação de um prognóstico sobre benignidade ou malignidade de uma lesão. O sistema linfático periférico pode se encaixar neste momento. 

O pescoço é outra região que pode ser ultrassonografada, abrindo uma janela para linfonodos, glândulas, traquéia, esôfago, vasos, língua, hióide e tireóide/paratireóide.

O encéfalo de animais até 10 kg de peso vivo também pode ser parcialmente avaliado, jogando luz sobre suspeitas de massas, hidrocefalia e outras. Ainda na cabeça podemos observar o globo ocular inteiro, desde a superfície corneana até o fundo, passando pela câmara anterior, lente, corpo ciliar e vítreo.

Coração e vascularização central, juntamente com cavidade torácica e superfície pulmonar são amplamente visualizados na ultrassonografia e têm suas anatomias e movimentos facilmente detectados. 

Com menor aplicação, porém ainda possível, a superfície óssea é outra área visível ao ultrassonografista, que pode detectar até pequenos edema periósteos, fraturas e fissuras. 

Ainda temos o ultrassom combinado ao constraste líquido e no futuro por microbolhas, que chegará a fornecer informações ditas microscópicas. 

Consulte seu ultrassonografista para saber mais sobre preparo pré-exame e materiais necessários caso opte por uma modalidade não usual do exame. 




Comentários

  1. Boa tarde Fernanda! Tenho aprendido muito com suas postagens. Sou formada há 1 ano em Medicina Veterinária e estou começando na área de Diagnóstico por Imagem. Gostaria de saber se vc oferece algum curso. Obrigada! Ariane - Apiaí

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ariane,

      Obrigada pelo seu comentário! Fiquei super feliz de saber que contribuo de alguma forma para o aprendizado de uma colega :)

      Eu não tenho curso oficial, mas se você puder e quiser passar uns dias na minha rotina, acompanhando-me nos exames, é um convite feito. Podemos fazer revisões técnicas ao final do dia, com aula e tudo o mais. O que acha?

      Abraços,

      Excluir
    2. Oi Fernanda! Isso é ótimo!!!! Uma oportunidade única!
      Vc tem algum e-mail de contato? o meu é: vet.ariane@gmail.com.

      Excluir
  2. Boa noite Dra. Fernanda.
    Meu nome é Karina e gostaria de fazer algumas perguntas que imagino que nós recém ultrassonografista gostariam de fazer para alguém, se não for incomodo.
    Como a Dra. se apresentou nas clínicas veterinárias que não te conheciam? Ofereceu exames gratuitos a fim de conhecerem seu trabalho? Como se portar perante ao veterinário que poderá ser seu futuro companheiro de trabalho?
    Essas pequenas dúvidas nos trazem insegurança na hora de iniciar nosso trabalho como ultrassonografista.
    Obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Karina,

      Obrigada por seu contato e interesse no assunto!

      Realmente o começo da profissão, como todas, não é simples. Primeiramente devemos ter em nossa cabeça que o veterinário clínico é o responsável pelo acompanhamento do paciente, por isso, seu nome e sua reputação estarão à frente de todos os casos que atenderemos como prestadores de serviço terceirizado. Com isto em mente, fica fácil entender que sua maior propaganda será sempre a do boca-a-boca entre os colegas clínicos.
      Inicialmente eu trabalhava com clínica e lá iniciei minhas ultrassonografias. Geralmente eu aproveitada um paciente e fazia a ultrassonografia sem cobrar nada e sem emitir laudo. Se eu via alguma alteração, encaminhava à um ultrassonografista conhecido e lia o laudo e avaliava as imagens depois. Após realizar um curso de extensão em diagnóstico por image, senti-me mais confiante e fiz meu primeiro exame "de verdade". Divulguei meu contato na internet e o restante foi se fazendo pela conversa entre eles.
      O grande diferencial do meu trabalho foi a disponibilidade para horários alternativos, finais de semana, feriados...
      Todas as vezes que visito um novo cliente em potencial, me coloco a disposição para conversas, passo meus contatos principais e comento sobre os lugares em que já atendo. Estou sempre de jaleco e sapato fechado e meu telefone está sempre ligado e quando possível disponível.
      Com meus desejos de boa sorte, abraços!

      Excluir
    2. Estou muito agradecida pela resposta, foi de extrema ajuda.
      Fico feliz quando encontro uma médica veterinária como você, muito solícita e profissional.
      Está de parabéns pelo blog (aprendo muito por aqui, é de grande valia).
      Obrigada novamente e desejos de ainda mais sucesso pra ti.
      Att. Karina

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Fernanda.
    Meu nome é Ana Paula e moro no RJ.
    Estou formada desde 2004, na faculdade estagiei na ultra, mas exerci muito pouco a clínica , fiz no meio do caminho um curso de ultra som, mas nunca exerci. Agora com os filhos já crescidinhos me sinto apta a voltar , porém não tenho, prática e acredito, que,precisaria de centenas de exames para poder começar meu caminho... Gostaria que você me desse uma luz, uma orientação. Muito obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana,

      Obrigada pelo seu contato e reconhecimento. Espero mesmo ter em breve mais uma colega para partilhar opiniões e experiências ultrassonográficas.

      Recomendo que você comece lendo um bom livro de ultrassonografia veterinária, como o Nyland ou o da professora Cibele Carvalho, para que veja exatamente a parte teórica de formação e obtenção da imagem de ultrassom. Isso lhe ajudará a entender bem como funciona o princípio, e com isso, terás mais facilidade em entender as alterações. Depois, já com a parte teórica em mente, procure um curso de iniciação ou até pós-graduação na área e faça-o, mesmo que seja de apenas uma semana. Finalmente, se isso tudo lhe parecer interessante, você estará pronta. A quantidade de exames para lhe garantir segurança estará inversamente ligada ao seu conhecimento teórico e pode variar conforme o indivíduo.
      Se for de seu interesse, me mande um e-mail no fernanda.vet@hotmail.com que eu lhe envio minha proposta de curso individual de introdução à ultrassonografia abdominal de cães e gatos.

      Obrigada e boa sorte!

      Excluir
  5. Bom dia, Dra Fernanda.
    Muito obrigada por sua presteza.
    Gostaria muito de receber a proposta do curso individual e também, se possível, alguma forma de obter algum treino prático.
    Meu email e: emaildasaninhas@gmail.com
    Obrigada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…