Pular para o conteúdo principal

Massas abdominais complexas

Algumas massas abdominais ditas complexas envolvem todo o local de visualização, não permitindo que se determine com facilidade a origem ou sequer a localização exata da formação (GAMMELL et al, 1999; ANDRADE NETO et al, 2011).

"A ultrassonografia é ferramenta importante na avaliação das massas anexiais e na definição de diagnósticos diferenciais destas condições. Em crianças, diante da limitação do exame clínico, a ultrassonografia por via abdominal torna-se preferencial na investigação complementar." (ANDRADE NETO et al, 2011)

A medicina veterinária pode em muito ser comparada às limitações e situações enfrentadas pelos pediatras humanos, visto que os pacientes em ambos os casos não são plenamente capazes de emitirem seus sentimentos ou contar seu histórico. Por isso, muitas vezes, o médico veterinário se depara com um paciente que apresenta, "desde ontem", um aumento expressivo de volume abdominal. 

Eis que o ultrassonografista é requisitado para a avaliação e entre a preparação do paciente e seu posicionamento na mesa, diversas possibilidades de diagnóstico vão inundando a cabeça do profissional. 

Muitas vezes o aumento de volume abdominal advém de hiperadrenocorticismo e adelgaçamento da parede muscular abdominal, noutras a alteração provém de líquido livre abdominal (de diversas causas) e, mais incomumente, de uma grande massa abdominal (GAMMELL, 1999). 

Neoplasias de origem glandular podem adquirir formatos variados e geralmente possuem aspecto heterogêneo e irregular, além de normalmente adquirirem tamanhos espetaculares, já que seu desenvolvimento é, muitas vezes, silencioso. Dentre as glândulas de destaque se incluem a próstata, os ovários e as adrenais (FLEISCHER et al, 2012; FOUAD et al, 2015; MAKI et al, 2014). 

Outras neoformações conhecidas por terem tamanhos extremos e aspecto visual sonográfico grosseiro são os sarcomas, destacando-se o hemangiossarcoma (YOON, 2014). 

Referências bibliográficas:

ANDRADE NETO, Francisco; PALMA-DIAS, Ricardo; COSTA, Fabrício da Silva. Ultrassonografia nas massas anexiais: Aspecto de imagem. Radiologia Brasileira, vol. 44 no 1 São Paulo Jan/Feb 2011


FLEISCHER, Arthur C.; LYSHSCHIK; Andrej; HIRARI, Makiko; MOORE, Ryan D.; ABRANSON, Richard G.; FISHMAN, David A. Early Detection of Ovarian Cancer with Conventional and Contrast-Enhanced Transvaginal Sonography: Recent Advances and Potential Improvements. Journal of Oncology, 2012
FOUAD Aoun, Ksenija Limani, Alexandre Peltier, Quentin Marcelis, Marc Zanaty, Alexandre Chamoun, Marc Vanden Bossche, Thierry Roumeguère, and Roland van Velthoven, “High Intensity Focused Ultrasound versus Brachytherapy for the Treatment of Localized Prostate Cancer: A Matched-Pair Analysis,” Advances in Urology, vol. 2015, pp. 1–9, 2015

GAMMEL, S.; BEATTIE, D.K.; THOMSON, H. H. Difficulties in the diagnosis of an intra-abdominal mass. Postgraduate Medical Journal, vol 75 is 887 1999

MAKI, Erik; OH, Karen; ROGERS, Sarah; SOHAEY, Roya. Imaging and differencial diagnosis of suprarenal masses in the fetus. Journal of Ultrasound in Medicine, vol 33 no 05, 2014

YOON, Hun-Young; KANG, Hye-Mi; LEE, Mi-Young. Primary cranial mediastinal hemangiosarcoma in a young dog. Irish Veterinary Journal, 2014

    Comentários

    Postagens mais visitadas deste blog

    Alterações esplênicas em cães

    As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

    Piometra de coto uterino - algumas apresentações

    As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

    Sinais de pancretite em um gato

    O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u