Pular para o conteúdo principal

Massas abdominais complexas

Algumas massas abdominais ditas complexas envolvem todo o local de visualização, não permitindo que se determine com facilidade a origem ou sequer a localização exata da formação (GAMMELL et al, 1999; ANDRADE NETO et al, 2011).

"A ultrassonografia é ferramenta importante na avaliação das massas anexiais e na definição de diagnósticos diferenciais destas condições. Em crianças, diante da limitação do exame clínico, a ultrassonografia por via abdominal torna-se preferencial na investigação complementar." (ANDRADE NETO et al, 2011)

A medicina veterinária pode em muito ser comparada às limitações e situações enfrentadas pelos pediatras humanos, visto que os pacientes em ambos os casos não são plenamente capazes de emitirem seus sentimentos ou contar seu histórico. Por isso, muitas vezes, o médico veterinário se depara com um paciente que apresenta, "desde ontem", um aumento expressivo de volume abdominal. 

Eis que o ultrassonografista é requisitado para a avaliação e entre a preparação do paciente e seu posicionamento na mesa, diversas possibilidades de diagnóstico vão inundando a cabeça do profissional. 

Muitas vezes o aumento de volume abdominal advém de hiperadrenocorticismo e adelgaçamento da parede muscular abdominal, noutras a alteração provém de líquido livre abdominal (de diversas causas) e, mais incomumente, de uma grande massa abdominal (GAMMELL, 1999). 

Neoplasias de origem glandular podem adquirir formatos variados e geralmente possuem aspecto heterogêneo e irregular, além de normalmente adquirirem tamanhos espetaculares, já que seu desenvolvimento é, muitas vezes, silencioso. Dentre as glândulas de destaque se incluem a próstata, os ovários e as adrenais (FLEISCHER et al, 2012; FOUAD et al, 2015; MAKI et al, 2014). 

Outras neoformações conhecidas por terem tamanhos extremos e aspecto visual sonográfico grosseiro são os sarcomas, destacando-se o hemangiossarcoma (YOON, 2014). 

Referências bibliográficas:

ANDRADE NETO, Francisco; PALMA-DIAS, Ricardo; COSTA, Fabrício da Silva. Ultrassonografia nas massas anexiais: Aspecto de imagem. Radiologia Brasileira, vol. 44 no 1 São Paulo Jan/Feb 2011


FLEISCHER, Arthur C.; LYSHSCHIK; Andrej; HIRARI, Makiko; MOORE, Ryan D.; ABRANSON, Richard G.; FISHMAN, David A. Early Detection of Ovarian Cancer with Conventional and Contrast-Enhanced Transvaginal Sonography: Recent Advances and Potential Improvements. Journal of Oncology, 2012
FOUAD Aoun, Ksenija Limani, Alexandre Peltier, Quentin Marcelis, Marc Zanaty, Alexandre Chamoun, Marc Vanden Bossche, Thierry Roumeguère, and Roland van Velthoven, “High Intensity Focused Ultrasound versus Brachytherapy for the Treatment of Localized Prostate Cancer: A Matched-Pair Analysis,” Advances in Urology, vol. 2015, pp. 1–9, 2015

GAMMEL, S.; BEATTIE, D.K.; THOMSON, H. H. Difficulties in the diagnosis of an intra-abdominal mass. Postgraduate Medical Journal, vol 75 is 887 1999

MAKI, Erik; OH, Karen; ROGERS, Sarah; SOHAEY, Roya. Imaging and differencial diagnosis of suprarenal masses in the fetus. Journal of Ultrasound in Medicine, vol 33 no 05, 2014

YOON, Hun-Young; KANG, Hye-Mi; LEE, Mi-Young. Primary cranial mediastinal hemangiosarcoma in a young dog. Irish Veterinary Journal, 2014

    Comentários

    Postagens mais visitadas deste blog

    Alterações esplênicas em cães

    As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
    Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
    Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
    Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

    O fígado

    Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
    Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
    O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

    Líquido livre em cavidade abdominal

    Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
    Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
    Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
    Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
    Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…