Pular para o conteúdo principal

Curso conceitos básicos de ecografia



Olá colegas e curiosos,

Que tal me conhecer ao vivo em uma aula leve, informativa e prática?

Iremos falar sobre formação da imagem e aspecto dos órgãos e tecidos moles com base nesses conceitos. Com essas informações você será capaz de entender como e por quê determinado órgão aparece do jeito que vemos no aparelho de ultrassom; isso lhe trará bases práticas e diretas para compreender uma alteração quando se deparar com uma. Juntando a técnica com seus conhecimentos clínicos e fisiológicos você terá mais segurança para interpretar os tons de cinza que aparecem na tela.Teremos bastante tempo para esclarecer dúvidas e para praticar com pacientes voluntários. 

Vai ser dias 03 (09h00 - 12h00) e 04 (09h00 - 12h00) de março de 2018 em São Paulo - SP, no CTU-Vet. 

Aguardo vocês!

-

Dear colleagues and fellow curious,

How about getting to now me in person in a light, informative and practical class?

We are going to talk about the image formation and the sonography aspect of the organs and soft tissues. With these informations you will be able to understand how and why that spleen shows up like that on the ultrasound screen. This is going to give you the practical foundation to comprehend something odd when you see it. Gathering the technique with your clinical and physiological knowledge you will have more confidence to interpret the shades of grey on your screen. We will have plenty of time to practice on volunteer patients and clarify all of your doubts. 

The class will take place in São Paulo - SP (Brazil) from 9AM-12AM (local time) on march the 3rd and 4th 2018 at CTU-Vet.  

I will be waiting you all!

Comentários

  1. Sou um vetsauro. Mais de 70 anos e querendo aprender sempre um pouco mais.
    Quais as possibilidades de um Curso via internet?
    Gostaria também de saber como medir a frequencia cardíaca de fetos pelo modo M e o que pode ser dito sobre variações da FC fetal próximas do parto e o que pode ser dito ou considerado como sofrimento fetal.
    Parabéns pelo seu trabalho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo.  Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus.  Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins.  Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, sauda

Piometra de coto uterino - algumas apresentações

As imagens acima foram obtidas em exames ultrassonográficos diferentes de algumas pacientes da espécie canina; elas representam algumas formas de apresentação da afecção infecciosa de coto uterino. Note os tamanhos variados de coto, a quantidade e as ecogenicidade e ecotextura variadas.  Esse é um quadro mais comumente observado em paciente da espécie canina e normalmente os sinais aparecem poucos dias após a ovariosalpingohisterectomia (OSH). A explicação para esse acometimento para estar na frouxidão do miometro previamente dilatado pela gravidez, piometra ou cio, combinada ao excesso de tecido uterino deixado pelo cirurgião. A existência prévia de piometra não é um fator totalmente predisponente à formação de piometra de coto uterino, porém pode ser um agravante.

Sinais de pancretite em um gato

O pâncreas é uma glândula de difícil observação, identificação e até mesmo de diagnóstico preciso, já que a dosagem de enzimas pancreáticas como a lipase são pouco ou nada realizadas no Brasil. Temos, porém, alguns indícios característicos que nos levam a crer se tratar de um caso de pancreatite. Em cães, podemos observar a ventroflexão do paciente e a extrama sensibilidade do mesmo à palpação abdominal; em gatos pode-se considerar o vômito agudo e a presença ou não de sensibilidade na região pancreática. Logo vê-se que gatos não apresentam sinais clinicos tão clássicos como o cão, o que torna a realização de uma ultrassonografia abdominal bastante importante e útil no diagnóstico dessa alteração. Com o transdutor correto e boas noções de anatomia é possível visualizar a região pancreática, quando alterada, logo caudalmente ao duodeno. Em casos de pancreatite aguda, observa-se diminuição da ecogenicidade do local, como na imagem acima. Em casos de pancreatite crônica, pode haver u