Pular para o conteúdo principal

Curso conceitos básicos de ecografia



Olá colegas e curiosos,

Que tal me conhecer ao vivo em uma aula leve, informativa e prática?

Iremos falar sobre formação da imagem e aspecto dos órgãos e tecidos moles com base nesses conceitos. Com essas informações você será capaz de entender como e por quê determinado órgão aparece do jeito que vemos no aparelho de ultrassom; isso lhe trará bases práticas e diretas para compreender uma alteração quando se deparar com uma. Juntando a técnica com seus conhecimentos clínicos e fisiológicos você terá mais segurança para interpretar os tons de cinza que aparecem na tela.Teremos bastante tempo para esclarecer dúvidas e para praticar com pacientes voluntários. 

Vai ser dias 03 (09h00 - 12h00) e 04 (09h00 - 12h00) de março de 2018 em São Paulo - SP, no CTU-Vet. 

Aguardo vocês!

-

Dear colleagues and fellow curious,

How about getting to now me in person in a light, informative and practical class?

We are going to talk about the image formation and the sonography aspect of the organs and soft tissues. With these informations you will be able to understand how and why that spleen shows up like that on the ultrasound screen. This is going to give you the practical foundation to comprehend something odd when you see it. Gathering the technique with your clinical and physiological knowledge you will have more confidence to interpret the shades of grey on your screen. We will have plenty of time to practice on volunteer patients and clarify all of your doubts. 

The class will take place in São Paulo - SP (Brazil) from 9AM-12AM (local time) on march the 3rd and 4th 2018 at CTU-Vet.  

I will be waiting you all!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…