Pular para o conteúdo principal

QUIZ: O que as imagens sugerem?



Este paciente, um gato de 8 anos, sem raça definida, macho, amarelo, castrado, apresentava súbita anorexia, perda de peso e icterícia. Ele mora sozinho com o dono em um apartamento, não come nada diferente de ração industrializada, sempre se alimentou normalmente, bem como urinava e defecava.

Com base nas imagens acima e no breve histórico do paciente, sugira o diagnóstico.











Resposta
O paciente apresentava obstrução biliar provavelmente ocasionada por fibrose hepática advinda de um processo crônico de origem desconhecida.

Comentários

  1. Essas estruturas circulares anecogênicas são cortes transversais da vesícula muito dilatada e dando voltas??
    Sinceramente não sei, mas estou curiosa.

    ResponderExcluir
  2. olá... estava aqui ajudando meu noivo a fazer uma pesquisa (ele é aspirante a veterinario hahahaha) e achei seu blog, achei muuuito bacana!!!
    da uma passada no meu tb... são areas diferentes mas nada impede de te gradar neh...
    www.artesanato-ecia.blogspot.com
    ahhh... jah vou te seguir!!!

    ResponderExcluir
  3. muito legal!
    Minha impressão é, pelas imagens, que a vesícula faz voltas mesmo... curioso!

    ResponderExcluir
  4. olá colegas!
    obrigada pelos comentários e pelo interesse.

    realmente a imagem é de vários cortes transversais da vesícula biliar e dos ductos biliares. eles estavam extremamente dilatados e essa é uma imagem bem clássica de processo obstrutivo.

    no caso desse paciente, a causa da obstrução biliar não foi totalmente estabelecida, mesmo com a realização de laparotomia exploratória, porém, havia sinais de cirrose hepática, lipidose e provável falência do órgão, o que poderia ter contribuído para o quadro. o paciente acabou falecendo com sinais de encefalopatia hepática.

    vocês gostaram do quiz? se sim, farei outros mais detalhados.

    abraços!

    nathy, vou entrar e seguir seu blog, sim. apesar de veterinária apaixonada, sou também fã de trabalhos manuais. :)

    ResponderExcluir
  5. Mariana Hoffmann5 de julho de 2011 00:22

    eu adorei o quiz, é um incentivo pra nós conseguirmos associar imagens e possíveis diagnósticos e também os diferenciais pra aquela imagem! ADOREI :)

    ResponderExcluir
  6. obrigada pelo retorno, mari! que bom mesmo que você gostou. vou tentar fazer outros melhores :D

    ResponderExcluir
  7. Nossa, nunca tinha visto essa imagem, nem nos livros que eu tenho. Acompanho o blog tem um tempo, mas hoje tive que comentar. "Linda" imagem...

    Beijos
    Zelinda.
    Médica Veterinária Ultrassonografista, Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  8. que bom que gostou, zelinda! a imagem se assemelha um pouco até a bolsas fetais, não?
    obrigada pelo seu comentário!
    abraços!

    ResponderExcluir
  9. Sim, Fernanda, se assemelham sim. Fiquei super assustada na verdade, antes de ver a resposta.
    Mas você já tinha visto isso antes, ou só fechou a imagem na laparotomia?
    Abços

    ResponderExcluir
  10. zelinda, eu sabia por causa do histórico do paciente, do aumento da fosfatase alcalina sérica e da localização da alteração, porém a laparotomia me ajudou a visualizar melhor e a imagem não vai mais sair da minha cabeça :)

    ResponderExcluir
  11. Que legal! Isso aqui é bom demais. Fernanda, tenho 52 anos e sou veterinário. Acabei de comprar um US Aloka 500, sou apaixonado por imagem e fico aqui me deliciando. Estou aprendendo muito.
    Fico no interior das Alagoas, aqui o público ainda não tá muito acostumado com US na veterináia. Bom! vou continuar estou sendo ajudado por vcs

    ResponderExcluir
  12. joão, muito obrigada pelo seu comentário! fico sempre feliz em saber que estou contribuindo com o aprendizado e interesse dos meus colegas nessa área :) espero que cada dia mais seus conterrâneos se interessem na ultrassonografia veterinária e você faça muitos exames!
    abraços!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Parabéns pelo blog e pelas imagens, estou escrevendo uma revisão sobre obstrução de vias biliares extra hepáticas, gostaria de sua autorização para utilizar estas imagens.

    Grato desde já!

    ResponderExcluir
  14. Obrigada por seu comentário e visitas!

    Se quiser usar as minhas imagens, não vejo problema nenhum, desde que com os devidos créditos. Se precisar de mais detalhes ou mesmo de outras imagens deste caso, me avise.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  15. Olá Fernanda!!! Sou Magna, MV e USGrafista tmb...
    Adoro seu blog e sempre q posso passo aqui para dar uma olhadinha nas novidades, mas nem sempre encontro algo novo...
    Posta pra gente imagens de ruptura esplenica e diafragmatica, torção gastrica, TVT, tumor hepatico, linfoma,torção gastrica, peritonite, neoplsia esplenica... Em fim seria bacana ver estas imagens no seu blog... Grd abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magna, oi! Obrigada por sua visita e comentário! Adorei que você tenha sugerido vários temas interessantes de posts! Às vezes fico meio sem inspiração mas você trouxe idéias legais! Vou colocar posts novos em breve!
      Abraço !

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…