Pular para o conteúdo principal

Ovários remanescentes




A ovariosalpingohisterectomia (OSH) é um procedimento realizado com grande frequência em animais domésticos, sendo o método de eleição para esterilização e tratamento de doenças do trato reprodutivo de gatas e cadelas (SCHIOCHET, 2007; OLIVEIRA, 2007: DONNEZ et al, 2007). As principais complicações decorrentes da OSH são a piometra de coto uterino, hemorragias locais, ligação acidental de ureter, incontinência urinária, ganho de peso corporal e estro recorrente (síndrome dos ovários remanescentes), que é caracterizado pela permanência recorrente dos sinais clínicos típicos do período de estro - cio (GRUNERT, 2005). 

A síndrome dos ovários remanescentes (SOR) pode acontecer por causas iatrogênicas como também por produção endógena de hormônios femininos devido à presença de tecido ovariano funcional, mesmo que em local atípico (OLIVEIRA, 2007). Como diagnóstico diferencial pode-se citar outras afecções que causam sangramento vaginal, tais como neoplasias, vaginite, piometra de coto uterino, traumatismos, coagulopatias e terapia exógena com estrógenos (OLIVEIRA, 2007). 

A manifestacão inadequada do cio após a OSH pode ser observada quando há existência de tecido ovariano acessório no ligamento largo uterino ou quando a técnica cirúrgica não foi realizada de maneira adequada, o que permite a permanência de resquícios ovarianos, que entram em contato com o mesentério, são revascularizados e voltam à sua funcionalidade (BIRCHARD, 2003; HEFFELFINGER, 2006; MACEDO e LOPES, 2003). 

Ambas as pacientes foram avaliadas ultrassonograficamente no período de estro, quando há intensa atividade ovariana e o aparecimento dos folículos é evidente, ocasionando as imagens císticas acima. Nos dois casos, o tecido ovariano remanescente desenvolveu-se especialmente no lado direito das pacientes, provavelmente porque este ovário é mais profunda e cranialmente alocado no abdômen, tornando sua exposição cirúrgica completa mais difícil (FINGER et al, 2009).  

Referências bibliográficas

BIRCHARD, S. J. Manual Saunders: Clínica de Pequenos Animais. Rocca, São Paulo, SP 2003. 

DONNEZ, O. et al. Primary ovarian adenocarcinoma developing in ovarian remnant tissue tene years afeter laparoscopic hysterectomy and bilateral salpingoophorectomy for endometriosis. Journal of minimally invasive ginecology, v.14, p.252-257, 2007. 

FINGER, B.L. et al. Videolaparoscopia no diagnóstico e tratamento da síndrome do ovário remanescente em uma gata. Ciência Rural, v.39, n.8, 2009.

GRUNERT, E. Patologia e Clínica da Reprodução dos Animais Mamíferos Domésticos. Varella, São Paulo, SP, 2005.

HEFFELFINGER, D. Ovarian remnant in a 2-year-old queen. Canadian Veterinary Journal, v.47, p.165-167, 2006. 

MACEDO, L.P; LOPES, M.D. Síndrome do ovário remanescente em cadelas: revisão. Clínica Veterinária, v.44, p.22-24, 2003. 

OLIVEIRA, K.S. Síndrome do ovário remanescente. Acta Scientiae Veterinarie, v.35, suppl.2, p.273-274, 2007. 

SCHIOCHET, S. et al. Ovariectomia laparoscópica em uma gata com ovários remanescentes. Acta Scientiae Veterinarie, v.35, n.2, p.245-248, 2007. 

Comentários

  1. muito legal Fê! Peguei um caso ontem, as imagens bem semelhantes às que tu botou aqui.
    Obrigada =)
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. que bom, mari! sempre legal trocarmos figurinhas, literalmente ;)

    ResponderExcluir
  3. Minha cadela,fez a cirurgia de laqueadura em Maio,agora ela começou a apresentar sangramento na vagina e sintomas do cio,então voltei com ela na veterinária que fez a cirurgia e ela a diagnosticou com Vaginite,mas ela não tem contato com outros cães e não sai na rua desacompanhada,as vezes ela tem aquela mania de arrastar a bunda no chão,mas não ocorre direto.Então te pergunto seria isso essa Síndrome ou seria a vaginite mesmo,pois logo após a cirurgia a médica me disse que poderia ter ficado alguma celulas de ovário junto a rim,pois o ovário dela estava muito grudado ao rim,e que ela poderia ter os sintomas do cio,mas não haveria sangramento,e o exame de sangue dela não apresentou alterações nenhuma.

    massariolles@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  4. Caro Rodrigo,

    Obrigada pelo seu comentário e visita ao blog!

    No caso na sua cadela eu sugiro que você volte a contatar a veterinária responsável pela cirurgia e acompanhamento clínico da sua cadela, quando ela estiver apresentando sinais de cio evidentes (sangramento vaginal, vocalização, mudanças comportamentais típicas...), e peça para realizar um exame ultrassonográfico. A partir do resultado deste exame será possível determinar a verdadeira causa dessas alterações e com isso tomar as medidas adequadas para reverter ou tratar a paciente.

    Espero que dê tudo certo!

    Boa sorte,

    ResponderExcluir
  5. Fernanda, obrigada pelos comentarios, estou lendo com muita atenção pois a minha cadela de oito anos foi castrada ha dois anos atras e començou com um sangramento. Feito o ultrasson e apareceu o ovario esquerdo, remanescente. O veterinario falou que pode fazer cirugia para retirar ou deixar passar ums meses para decidir se eu nao me incomodar com o sangramento. So que a cadela esta sangrando muito, coisa que nao fazia em quanto estava no cio, ela está se alimentando bem, mais pelas minhas contas ja pasou um mes desde que començou com o sangramento, é pra se preocupar ou o sangramento pode durar mais dias que um cio normal. Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônima,

      O sangramento do período estral (de cio) pode variar conforme o indivíduo, porém, a média está entre 7 a 14 dias. Recomendo sinceramente uma conversa honesta com o veterinário da sua cachorrinha para considerar seriamente a possibilidade de retirada destes ovários remanescentes.

      Atenciosamente,

      Excluir
  6. Minha gata foi castrada a 4 anos e agora está com comportamento estranho... É possível apresentar esse problema mesmo após tanto tempo dá castração??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danielle,

      Obrigada pela pergunta.

      Eu não sei que tipo de comportamento sua gata está apresentando, então creio que seria interessante levá-la a uma consulta com um médico veterinário para que ele possa verificar se está ou não relacionado com um possível "cio".

      Se for o caso de ovários remanescentes, o comportamento de "cio" pode sim aparecer tempos depois da cirurgia de castração.

      Boa sorte!!!

      Excluir
  7. Tenho uma cachorra da raça pit bull que foi castrada em março 2016,com seis meses, antes do primeiro cio.Em setembro ocorreu um comportamento estranho por parte do meu cachorro (salchicha) que não é castrado.Ele chorava o tempo todo ficava em cima dela como se ela tivesse no cio.Ela não tinha sangramento nem inchaço na vulva.,nem comportamento de cio.
    Hoje passados 7 meses ocorreu esse fato novamente.A veterinária solicitou um exame -ESTRADIOL- RIE ,como o resultado deu 5,00 ela descartou a possibilidade de ter algum resquicio de ovario.E disse que deve ser avaliado alterações hormonais do macho. Isso procede ?

    ResponderExcluir
  8. Olá Maria,

    Obrigada por comentar e dividir sua história. Tenho certeza de que outros poderão se beneficiar de ler seu relato aqui.

    O que sua médica está dizendo está sim correto. Se o macho não é castrado é possível sim que ele seja o responsável da história. Alguns meninos nessa situação tentam cruzar até com outros machos, o que reforça o fato de que não é estímulo externo, mas sim dele próprio.

    Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir
  9. Olá
    minha cachorra foi castrada e entrou no cio. fiz o ultrassom e ela tem ovário remanescente. A veterinária disse que ficou esse resquício pq o ovário é policístico. Isso é comum? Tem a possibilidade de não ocorrer mais cio e ter sido hormônio circulante que ocasionou? É indicado cirurgia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo,

      Se houve a constatação de ovários policísticos, a recomendação é sim cirúrgica, pois o tecido ovariano existente não regride, não deixa de existir. Ela tendo tecido ovariano ela vai entrar no cio como se não fosse castrada. Como o útero foi removido, provavelmente ela não engravidará, porém corre o risco de desenvolvimento de "piometra de coto uterino".

      Espero ter ajudado! Obrigada pela participação.

      Abraços

      Excluir
  10. Ola
    Minha cadela de 11 anos foi operada de piometra ha um ano,e juntamente retirado um tumorzinho de mama. Ela sempre demonstrou sintomas de cio depois da cirurgia, porém bem fracos. Fiz um ultrassom que detectou restos do ovário esquerdo, quais os riscos que ela corre?? Tenho outro metodo além de uma nova cirurgia pois além da idade avançada ela tem aumento no coraçao e insucifiencia mitral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nubia!

      Obrigada pela pergunta.

      A presença de restos de ovário ou tecido voaríamos remanescente ocasiona continuidade na produção hormonal. A maior parte dos hormônios sexuais femininos é produzida pelos ovários. A castração tem como objetivo retirar cirurgicamente todo o aparelho reprodutor feminino, ou seja, útero e ovários.

      Como ela já tem histórico de tumor de mama, existe, com a presença remanescente de tecido ovariano, uma maior chance de reincidiva de câncer (de mama).

      Se você está em dúvida sobre um possível procedimento cirúrgico, converse com seu veterinário e as exponha. Ajuda fazer uma tabela de prós e contras para te auxiliar na visualização daquilo que é melhor para sua amada cachorrinha.

      Espero ter esclarecido!

      Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…