Pular para o conteúdo principal

Parasita intestinal





Todos os animais estão sujeitos à parasitose, que pode localizar-se nos mais diversos órgãos, incluindo o intestino, o coração, os pulmões e o restante do trato respiratório, a pele e os tecidos de revestimento de ouvidos, os genitais, os rins, o sangue e até o próprio cérebro. 

A vermifugação deve ser um hábito praticado periodicamente por nós e para nossos cães, gatos, aves, peixes e outros. 

Dentre os principais parasitas intestinais dos cães podemos citar o Ancylostoma spp., o Toxocara canis, o Dipylidium caninum, o Echinococcus granulosus, a Giardia sp., o Trichuris vulpis, o Isoospora canis, o Isoospora ohioenses, a Coccidia sp., a Ascaris lumbricoides, dentre outros  (DE BONI, 2011; PETMD).

Apesar de ser uma generalização, podemos dizer que todos causam algum distúrbio gastrointestinal em maior ou menor grau, havendo situações em que o paciente pode apresentar melena e hematoquesia, além de hipertermia e complicações como obstrução intestinal, contaminação bacteriana secundária, anemia, perda de microminerais e vitaminas, intoxicação neurológica e até convulsões (DE BONI, 2011; PETMD)

O exame ultrassonográfico da paciente relatada foi realizado devido à suspeita clínica de obstrução intestinal, o que foi confirmado devido aos sinais sonográficos de baixa motilidade gastrointestinal e preenchimento e distensão graves das alças intestinais anteriores ao parasita com conteúdo predominantemente líquido revolvente e não-progressivo. O parasita foi localizado em lúmen intestinal  do segmento delgado, como uma estrutura tubular semelhante à um canudo, com paredes hiperecóicas e lúmen hipoecóico, medindo aproximadamente 2.50 mm de diâmetro transversal e valor superior a 100.0 mm de comprimento; notava-se discreto movimento de corda na estrutura. Em determinado ponto o verme enrolava-se sobre si mesmo, causando interrupção total de fluxo intestinal. 

Posteriormente à administração de vermífugo injetável e intervenção cirúrgica para ordenha intestinal, a paciente apresentou ainda diversos quadros de melena e hematoquesia até expelir partes do parasita de coloração amarelo-esbranquiçada e formato cilíndrico. 

Com base na literatura atual, acredito tratar-se de Ascaris lumbricoides intestinal devido ao seu formato macroscópico e tamanho e pelo fato da paciente ser um canídeo de 3 meses, já que a ascaridíase pode ser transmitida facilmente para o filhote  de maneira transplacentária ou através da ingestão de leite materno contaminado com ovos (PETMD).   

Referências bibliográficas:

DE BONI, Ana Elisa Peixoto. Parasitas intestinais de caninos domésticos. http://www.saudeanimal.com.br/artig115.htm (acessado em 25 de março de 2013, às 18h43).

PETMD. Intestinal Parasite (Coccidia) in dogs. http://www.petmd.com/dog/conditions/infectious-parasitic/c_multi_coccidiosis?page=2 (acessado em 25 de março de 2013, às 18h50).

PETMD. Intestinal Parasite (Cryptosporidia) in Dogs. http://www.petmd.com/dog/conditions/infectious-parasitic/c_multi_cryptosporidiosis (acessado em 25 de março de 2013, às 18h51).

PETMD. Roundworms in Dogs. http://www.petmd.com/dog/conditions/infectious-parasitic/c_multi_ascariasis (acessado em 25 de março de 2013, às 18h53).

Comentários

  1. Oi Dra Fernanda, boa tarde, meu nome é Graziela, tb sou médica veterinária, e desde que vi seu blog achei muito interessante, pois sou apaixonada por diagnósticos por imagem. Estou adquirindo um ultrassom agora e espero que possa fazer amplo uso dele na clínica de pequenos animais. Dra, eu já tenho um tempinho de formada, e trabalhava com animais de grande porte, e inclusive me especializei em clínica e cirurgia de equinos, porém agora meu direcionamento é mesmo a área pet; durante minha especialização vi diversos usos do ultrassom,em equinos sem ser em cavidade abdominal, por exemplo, tendões, coluna vertebral e até alguns diagnósticos de patologias ósseas como por exemplo saber se a exostose (sobreosso) está ativa ou inativa e com isso direcionar o tratamento. Na clínica de pequenos não vejo o ultrassom ser usado no diagnóstico de patologias semelhantes a essas, vc tem alguma experiência no uso nos "sistemas músculo-esqueléticos"?

    ResponderExcluir
  2. Olá Dra Graziela,
    Obrigada por sua visita e comentário! Fico feliz em saber que tenho mais uma colega migrando para o diagnóstico por imagem de animais de companhia!
    É verdade que a ultrassonografia tem uma aplicação um tanto diferente em equinos, especificamente. Até porque essa espécie costuma apresentar mais casos de lesões ortopédicas.
    Em "pequenos animais" (pequeno no caso de um dogue alemão é um tanto forçado) o uso da ultrassonografia é bastante voltado para a região abdominal, mas também pode ser usado para tecidos moles em geral, especialmente pescoço e tireóide e sistema muscular e vascular. Como há uma facilidade maior em usar a radiografia em cães e gatos, as suspeitas de lesão em coluna e ossos normalmente são diretamente encaminhadas para esse método diagnóstico. Em casos de lesão de tendão, podemos também usar a ultrassonografia para avaliar se há comprometimento do periósteo, porém acredito que essas situações também são mais comumente diagnosticada com radiografia.
    Espero ter esclarecido sua dúvida!
    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Oi Dra Fernanda,
    Esclareceu sim, na verdade meu questionamento era no intuito de me aprofundar na idéia do diagnóstico dessa parte músculo-esquelética, pois aqui onde moro, não temos facilidade de raio-x para os pets, só teria como fazer um raio-x, na capital do estado a 450km, então pretendo usar meu ultrassom para me auxiliar em diagnósticos nessa área também. Estou inclusive tentando adquirir um stand-off, pq improviso um com luva e gel, mas tem dias que ele não quer contribuir muito. Vc sabe onde vende?

    ResponderExcluir
  4. Oi Dra Graziela,

    Apoio sua decisão em se aprofundar nesse assunto. Mesmo dentro da ultrassonografia há poucos veterinários que têm a oportunidade de praticar a avaliação do sistema musculo-esquelético no cotidiano; a maioria dos exames costuma recair sobre avaliação abdominal.

    Eu não sei aonde adquirir um stand-off. Quando preciso, "fabrico" o meu com uma luva de látex (estéril ou não) preenchida por gel acústico. Acho que vale a pena pesquisar na internet em sites de compra e venda.

    Boa sorte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações esplênicas em cães

As alterações esplênicas em cães normalmente são avaliadas de maneira subjetiva pelo ultrassonografista, já que existe uma variação de porte do paciente bastante grande. Ao contrário da esplenomegalia em felinos, que pode ser observada pelo aumento longitudinal do órgão, esta afecção em cães é comumente constatada pelo aumento transversal do mesmo. 
Muitas são as causas da esplenomegalia, sendo importante destacar as hemoparasitoses, as parasitoses intestinais e epiteliais severas e as doenças endócrinas como hipotireoidismo, hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus. 
Além do tamanho, o ultrassonografista deve estar atento à ecogenicidade esplênica, que de acordo com o macete "My Cat Loves Sunny Places" (M=medulla; C=cortex; L=liver - fígado; S=Spleen - baço; P=prostate) deve ser discretamente mais hiperecóica que o fígado e um pouco mais hiperecóica do que a camada cortical dos rins. 
Outro aspecto importante é a ecotextura deste órgão, saudavelmente homogênea e lisa, aco…

O fígado

Muito já comentamos sobre os rins, a bexiga, as afecções gastro-intestinais... Porém, o fígado permanece um assunto meio distante e pouco comentado. De maneira nenhuma isso se dá por falta de interesse ou possibilidades de avaliação, mas sim pela dificuldade que há de se obter um diagnóstico sequer próximo de preciso quando se trata deste grande órgão parenquimatoso. 
Fisiologicamente falando, o fígado é responsável por um sem-número de funções, dentre as quais podemos destacar a secreção de bile (o armazenamento é por conta da vesícula biliar); a estocagem de glicogênio; a síntese proteica; a produção de fatores de coagulação; a metabolização de algumas substâncias para transformá-las em algo útil ou menos nocivo ao organismo; a sintetização de colesterol; a barreira imunológica e a transformação de amônia em ureia. 
O grande desafio no diagnóstico das doenças hepáticas é que nem sempre as alterações imaginológicas são clássicas ou correspondem à realidade clínica e laboratorial do …

Líquido livre em cavidade abdominal

Muitas vezes o ultrassonografista se depara com líquido livre abdominal. Normalmente este é um motivo de grande preocupação clínica, pois pode representar várias afecções diferentes, inclusive as de ordem sistêmica.
Quando observado em cães, pode-se pensar em neoplasia abdominal, hipoproteinemia, peritonite, perfuração de órgãos quando há suspeita de corpo estranho, rompimento de bexiga, vasos ou órgãos parenquimatosos altamente irrigados como fígado e baço, afecções cardíacas, shunt portohepático, dentre outros.
Em gatos, as suspeitas recaem comumente em peritonite infecciosa felina (PIF), mas também podem representar as mesmas alterações dos cães. 
Gatos e cães altamente parasitados por ecto e endoparasitas cronicamente podem apresentar hipoproteinemia.
Uma centese ecoguiada desse líquido pode ser muito importante para o diagnóstico diferencial. Para isso, basta posicionar o paciente cooperativo em decúbito dorsal, encontrar a linha alba com o transdutor e localizar uma região afas…